terça-feira, 16 de setembro de 2014

OS GATOS NÃO TÊM VERTIGENS

O

Ontem assisti à antestreia no cinema S. Jorge em Lisboa do último filme de António Pedro Vasconcelos "Os gatos não têm vertigens" com grandes interpretações de Maria do Céu Guerra e João Jesus. O filme pisca por vezes o olho à ciência, designadamente quando o marginal Jó (João Jesus) dá uma lição de química ao vilão (Ricardo Carriço) em cima do capô do BMW deste, explicando-lhe que, para além da meia dúzia de elementos mais comuns da matéria viva, ele possuía um outro: o arsénio. E, pouco depois, quando a viúva Rosa (Maria do Céu Guerra), aproximando-se do fim, encontra descanso e algum consolo a ver um programa de televisão sobre o cosmos, onde é dito que "somos o pó da estrelas". E somos! Feitos nas estrelas, da matéria das estrelas, não somos mais do que combinações prodigiosas de átomos, cuja organização nasce, vive e finalmente morre, continuando os constituintes no vasto cosmos onde sempre estiveram. O filme, que recomendo vivamente, não é sobre ciência mas sim a história de uma improvável ligação (uma "química" especial) entre duas pessoas de gerações diferentes, mas ambas sozinhas e desorientadas, neste Portugal em crise.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.