quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Num país disfuncional...

Destacamos o comentário do leitor que se assina por Dervich ao texto do Professor Galopim de Carvalho. A situação que relata está perfeitamente identificada, toda a gente está consciente dela mas... não se vê jeito de mudar. Pois, como escreveu, estamos num país disfuncional... 

"Todos os anos (desde há mais de 20) se fala dos inconvenientes de haver uma demasiada diversidade de manuais escolares e do seu preço desproporcional, face ao nível económico do país.

Imagem retirada daqui
Todos os anos (desde há mais de 20), se fala no absurdo de miúdos de 13, 14 ou 15 anos transportarem diariamente mochilas de 13, 14 ou 15 kg, quando não deviam exceder 5,6 ou 7 kg. Transportam, todos os dias, uma média de 2 livros por disciplina, dos quais muitos raramente são usados, alguns são usados 2 ou 3 vezes, no ano inteiro!...

Mas depois temos as escolas especiais, vocacionais e outras que tais, onde os meninos levam apenas uma esferográfica, um bloco de notas no bolso de trás das calças (além do tlm e do boné com pala para trás)...e tá-se bem!

E tudo isto é normal, num país disfuncional, onde toda a gente protesta e tem opinião sobre tudo mas não é capaz de dar um passo para confrontar um professor, um conselho diretivo, um ministério, ou todo o status quo de uma sociedade que não pensa o que quer de si própria nem do seu futuro."

2 comentários:

  1. Não tenho Blog ID mas costumo assinar como "Dervich" neste blog e noutros.
    Fui eu o autor do texto referido mas esqueci-me de o assinar (porque noutros blogs a assinatura surge automaticamente), pelo que peço desculpas.

    Dervich

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prezado leitor Dervich
      Agradecemos o texto e a identificação. Não podíamos deixar de destacar a questão que tão claramente resume.
      Cumprimentos,
      Maria Helena Damião

      Eliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.