terça-feira, 2 de setembro de 2014

COMENTÁRIO DE UM LEITOR SOBRE COUTINHO E CRATO

Os comentários dos nossos leitores,a favor ou contra aquilo que é escrito, são uma parte importante deste blogue. Destacamos um comentário  do nosso leitor  Ildefonso Dias em26 de Agosto de 2014 a este post:

O drama neste país é a quantidade, eu diria inesgotável, de indivíduos “sabichões” como Mariano Gago e António Coutinho que não sabendo "da poda" tem no entanto o atrevimento e o descaramento de se intrometerem e condicionarem os destinos do país, condenando-o à menoridade mental. Foi isso que o primeiro fez retirando a investigação às universidades. É isso que o segundo continuará a fazer ao não devolver a investigação às universidades. Deixo esta transcrição do Professor Sebastião e Silva, que já em 1968 chamava a atenção da necessidade do professor universitário ser também ele um investigador (entrevista publicada pelo jornal A Capital).

“A incompreensão dos leigos relativamente ao problema do professor universitário estriba-se em particular neste facto: para eles, o catedrático ( ou lente: etimologicamente “aquele que lê”) é ainda aquela figura veneranda que sabe muito e fala como um livro aberto, repetindo, sem nunca se enganar, o que os sábios inventaram em países e tempos remotos. Não é de admirar, portanto, que mesmo pessoas inteligentes e bem intencionadas continuem a sustentar que para ser professor universitário não é preciso ser investigador. Eu não digo que num período transitório, não seja necessário ( e é ) admitir realisticamente a existência de professores que, dadas as condições do meio, não puderam realizar se como investigadores, mas que conseguem, excepcionalmente, ser bons pedagogos. Porém, de futuro, a posição terá de ser muito diferente, pelo menos no que se refere aos cursos de carácter científico: se não se exigir ao professor, como mínimo, o hábito e o espírito de pesquisa, reveladores de um contacto permanente com o movimento científico internacional – mesmo que os resultados pessoais não sejam brilhantes – então o País será irremediavelmente condenado à situação de menoridade mental, com todas as consequências deploráveis que daí podem deduzir - se a priori.

Um dos argumentos que são invocados com mais frequência contra o princípio de que os professores devem ser investigadores é o do que a grande maioria dos alunos não irão ser investigadores. Certamente que não! Mas é preciso não esquecer em que época vivemos: a evolução rapidíssima da técnica e da ciência exige que todos adquiram um certo espírito de pesquisa, ou seja: maleabilidade intelectual, senso crítico, imaginação criadora, espírito de iniciativa, capacidade de adaptação. E quem poderá, em última análise, transmitir esse espírito de pesquisa aos jovens portugueses, se nem sequer os professores universitários forem providos de tal espírito?”

António Coutinho diz ainda “Ser docente-investigador mediano ou medíocre não é melhor do que ser “apenas” um excelente docente.”

Que retrato de horizontes diminutos e de extrema ignorância emana da figura de António Coutinho quando lhe sobrepomos as palavras sabias do Professor Sebastião e Silva.

Eu percebo que aquilo que António Coutinho diz é muito sério e tem serias implicações no futuro do País, por isso deixo aqui um pedido de esclarecimento público ao senhor Ministro Nuno Crato que é: Ou o senhor Ministro Nuno Crato se identifica com as palavras do Professor Sebastião e Silva ou se identifica com as do Professor António Coutinho. Não há duas escolhas.

Se concorda com Sebastião e Silva deve de imediato demitir António Coutinho. De outra forma o senhor Professor Nuno Crato ficará para a história como uma personagem vulgar no campo da investigação cientifica e no da pedagogia entre outros valores. 

2 comentários:

  1. Habituado que estou a ter comentários do Eng.º Ildefonso Dias nos meus posts, que muito úteis me são para a reflexão daquilo que escrevo, não me surpreende este seu comentário, publicado sob a forma de post pelo seu justo e valioso reconhecimento por parte do DRN.

    É esta uma voz desassombrada que exige "um pedido de esclarecimento público ao senhor Ministro Nuno Crato". Ou seja, "se concorda com Sebastião e Silva deve de imediato demitir António Coutinho". Se o não fizer, Ildefonso Dias "dixit"," o senhor Professor Nuno Crato ficará para a história como uma personagem vulgar no campo da investigação científica e no da pedagogia entre outros valores".

    "Alea jacta est"! Terá o senhor Ministro Nuno Crato coragem para atravessar o Rubicão para a outra margem: a margem que as circunstâncias aqui relatadas lhe impõem? E se o futuro a Deus pertence, neste particular o futuro está nas mãos do actual titular da pasta da Educação e Investigação Científica. Realço: Investigação Científica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Professor Rui Baptista, quero em primeiro lugar agradecer as suas palavras muito amigas.

      A meu ver as palavras de António Coutinho trazem ao Ministro Nuno Crato duas grandes dificuldades. A primeira dificuldade diz respeito ao campo técnico da Investigação/Pedagogia, se para isso, Nuno Crato aceitar que não é importante que o professor universitário seja ele também um investigador.
      A segunda dificuldade objectivamente existe, e é uma consequência da primeira pela sua não resolução, é de outra natureza, é mais melindrosa, pois insere-se no campo da “moral social” que é a de manter o País numa situação de atraso educacional e civilizacional.
      No futuro pode-se, muito justamente, assacar ao Professor Nuno Crato que, estando na governação não teve neste particular um contributo para o desenvolvimento dos jovens e do País. E esse era um dever que tinha e que lhe pesará sempre na consciência. Além do mais, Nuno Crato sabe que as palavras do Professor Sebastião e Silva (de que o professor universitário deve ser também ele um investigador) são, sem contestação possível, válidas em qualquer parte do mundo.

      Um abraço Professor Rui Baptista,

      Eliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.