sexta-feira, 26 de setembro de 2014

ANTÓNIO VICENTE AO CORREIO DA MANHÃ SOBRE A "AVALIAÇÃO" DA FCT

Transcrevemos com a devida vénia mini-entrevista com o Prof. António Vicente:


ANTÓNIO VICENTE Presidente do Sindicato do Ensino Superior sobre queixa contra a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT)

"Equipas de cientistas estão a deixar o País" 

Correio da Manhã - Quais os motivos para a queixa contra a FCT?

António Vicente - A avaliação das unidades de investigação decorreu de uma forma pouco clara. Detetámos inúmeras ilegalidades, que apresentámos ao ministro Nuno Crato. Além de não nos responder, disse nos jornais que estava tudo bem.

CM- O que espera desta queixa no Ministério Público?

AV - Que avance com uma ação judicial de forma a anular todo o processo de avaliação.

CM- Quais são as consequências dos erros detetados?

AV- Têm um impacto muito significativo na produção da ciência em Portugal. Isto significa que metade das unidades de investigação deixam de funcionar até 2020.

CM- Portugal vai regredir na sua produção científica?

AV- Inevitavelmente. Temos universidades muito bem posicionadas nos rankings internacionais que vão baixar abruptamente as suas posições.

CM- Portugal está a perder cientistas e investigadores?

AV- Há casos de equipas inteiras que estão a deixar o País para continuarem os projetos no estrangeiro. É cada vez mais fácil levar o investigador sénior, os doutorandos e os pós-graduados.

A fuga de cérebros vai aumentar significativamente. É uma perda enorme para o País.


Correio da Manhã 2014.09.25

1 comentário:

  1. Não foi a cunprir a lei que este país não chegou ao estado a que chegou.
    Ao Minstério Público compete a defesa da legalidade.
    Quantas acções intentou o Ministério Público na defesa dessa mesma legalidade ?
    Quiçá a estatística explique porque este país chegou a este estado...

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.