domingo, 13 de julho de 2014

O Latim pode desaparecer duma escola onde, contra tudo, ganhou expressão.

Sabendo da preocupação recorrentemente veiculada neste blogue sobre o estado de quase extinção das Clássicas no nosso sistema educativo, enviaram-nos um texto da autoria de António Fernando Nabais, intitulado Latim em risco na cidade do Portoe publicado ontem no blogue Aventar, sobre o risco que o Latim corre numa escola que tem investido, de modo muito particular, na disciplina. Esse investimento, no ensino básico como secundário, tem dado excelentes frutos: além do nível de aprendizagem conseguido, do entusiasmo que os alunos mostram, são vários os prémios internacionais conquistados.
"Na cidade do Porto, a segunda cidade do país, o Latim está em risco de desaparecer. Foi lançado um alerta para que os alunos interessados se matriculem na Escola Rodrigues de Freitas, de modo a poder-se encontrar um número mínimo que possa permitir a formação de uma turma. Realce-se, a propósito, que os professores Alexandra Azevedo e Jorge Moranguinho têm aí realizado um trabalho meritório na área do ensino do Latim, valendo, ainda, a pena lembrar que António Gil Cuccu, aluno da escola, ganhou, há pouco tempo, um prémio internacional, mesmo se não mereceu apoio do Estado, ao contrário dos milionários que fazem parte da selecção nacional de futebol. Tudo o que contribua para a sobrevivência do ensino do Latim é, na minha opinião, fundamental, pelo que me associo a este alerta, mas não posso conter algumas farpas, porque o problema não ficará resolvido se se abrir uma turma numa escola do Porto. 
Entretanto (...) o problema do Latim não estará resolvido, mesmo que volte a haver uma turma de Latim numa escola do Porto. Pelo país fora, devido a critérios unicamente financeiros, o Estado português não pratica a discriminação positiva, privando centenas ou milhares de jovens de aceder a uma formação que, cada vez mais, estará ao alcance de alguns privilegiados."

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.