terça-feira, 15 de julho de 2014

Ciência – crónica de uma morte anunciada!

Crónica de Elza Pais, Deputada do PS e cientista social, no PÚBLICO de hoje.

O Governo está a impor novos cortes na Ciência, desta vez, nas unidades de investigação. Estes cortes cegos, baseados em análises duvidosas e pouco transparentes, têm merecido constantes críticas e manifestações de desagrado por parte da comunidade científica, o que tem levado a uma desacreditação progressiva daquela que em tempos foi uma instituição na qual os cientistas confiavam – a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

No final do ano passado, registaram-se cortes drásticos nas bolsas de doutoramento (-40%) e de pós-doutoramento (- 65%), condenando deste modo toda uma geração de investigadores e procedendo a uma “destruição criativa” da Ciência, como assim a apelidou o conceituado investigador Manuel Sobrinho Simões.

A fuga de cérebros está em curso e o país perde o seu melhor capital humano que outros aproveitarão sem os inerentes custos de investimento associados a estas formações altamente qualificadas. Será este, porventura, um dos piores exemplos de má governação – desperdício do potencial humano, morte de instituições e projetos cujo retorno económico para o país é por de mais evidente!

Este cenário calamitoso é agora reforçado com a publicitação dos resultados referentes à primeira fase de avaliação das unidades de investigação, cujo número de cientistas “sentenciados à morte”, como assim os designou o investigador Carlos Fiolhais, é de 5187 num total de 15.444 investigadores.

A avaliação das unidades de investigação científica e de desenvolvimento tecnológico promovida pela FCT, que para o efeito se fez substituir pela European Science Foundation, cuja credibilidade está a ser muito questionada pela comunidade científica, já excluiu de qualquer apoio 71 dessas unidades, às quais se encontram associados 1904 membros, e remeteu para um financiamento de base, com tempo de vida contado, mais 83, com 3283 investigadores associados. Ou seja, a curto prazo cerca de metade das unidades de investigação, 154 num universo de 322, serão condenadas à morte e mais de cinco mil investigadores terão de emigrar se quiserem continuar a investigar.

É chocante verificar que muitos dos cientistas que estão a ser dispensados em diversos setores estratégicos como a Matemática, a Física, a Engenharia, a Sociologia, entre outras, foram galardoados com distinções nacionais e internacionais. Não servem para fazer investigação, mas servem para projetar no exterior a ciência que em Portugal se faz! Que caminho é este?!

Resta ainda acrescentar que o Governo diz recorrentemente que o financiamento para a Ciência não tem diminuído. Então para quê estes cortes? Para onde vai esse dinheiro?

O investimento em Ciência tem de ser uma ideia partilhada por todos para a defesa dos interesses nacionais e do Sistema Científico e Tecnológico Nacional, que tanto trabalho deu a construir e não pode ser destruído deste modo!

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.