segunda-feira, 7 de julho de 2014

A FALTA DE ÉTICA DA FCT

Começa a estar disponível um chorrilho de irregularidades na (pseudo)avaliação que a FCT fez das unidades de investigação. O Centro a que pertence o ministro Nuno Crato, o CEMAPRE, foi particularmente maltratado. Além de ter entrado na área da Matemática, como aqui já foi dito, entrou também na área da Economia. Os índices bibliométricos valem o que valem (obviamente só dão conta de uma parte do valor científico), mas a FCT queria que valessem.  Neste caso houve alguma correlação entre produtividade científica, medida pelo número de artigos por investigador e pelo número de citações também por investigador, excepto o CEMAPRE, na 6.ª e 2.ª posições respectivamente, que foi preterido, e o Centro de Estudos da Saúde da Universidade de Coimbra, em 6.º no 2.º critério, que foi preterida em favor do Centro de Economia e Finanças da Universidade do Porto, que lhe ficou atrás (ver tabelas em baixo). Mas o mais interessante, segundo consegui apurar, é que um dos centros que passou e que está em 1.º lugar nos dois critérios, a Unidade de Investigação em Complexidade e Economia, cairia a pico nos dois rankings se fossem retirados os trabalhos de um dos seus investigadores, acusado internacionalmente de plágio, acusações cuja validade a própria escola reconheceu. 

Onde está o Comité de Ética da FCT?  E, sobretudo, onde está o ministro que devia velar pela integridade da ciência em Portugal?



Number of outputs per FTE

Research Unit on Complexity and Economics 9,1 1

Economic Policies Research Unit 6,08 2

Center for Advanced Studies in Management and Economics 5,25 3

Nova School of Business and Economics 5,14 4
Center for Economics and Finance at University of Porto 4,75 5
CEMAPRE - Centre for Applied Mathematics and Economics 4,2 6




Number of citations per FTE

Research Unit on Complexity and Economics 46 1

CEMAPRE - Centre for Applied Mathematics and Economics 45 2

Nova School of Business and Economics 39 3

Economic Policies Research Unit 22 4

Center for Advanced Studies in Management and Economics 14 5

Centre for Health Studies and Research of the University of Coimbra 12 6

3 comentários:

  1. A mania dos ranking só vai acabar por promover uma onda do 'popular'. Quantidade nunca foi qualidade mas essa moda está para entrar ainda mais na ciência agora. Anos de politicamente correcto na sociedade contaminarão agora todos os critérios sanos naárea ciêntífica que não é mais do que uma área assalariada como as outras, tão ou mais dependente das decisões políticas e espirituais de uma pequena franja no topo da pirâmide 'alimentar'.

    ResponderEliminar
  2. Meu caro: o que me preocupa mais não é a actuação da FCT e Ministro. O que me preocupa é verificar que muitos (a maioria?) cientistas já acreditam que os rankings e os índices, número de citações etc. são maneira e avaliar a CIência. Sinais da época que vivemos.
    Parece-me poder concluir-se (ou pelo menos admitir) que a maioria dos cientistas não tem espírito crítico. Quer é um critério (qualquer que ele seja) que ponha o seu projecto em primeiro lugar para financiamento. Triste.

    ResponderEliminar
  3. A próproa fct não passa de uma legião de gente pedante que ganham o ordenado a elaborar folhas de excel e a inventar critérios e a construir rankings!

    Nunca se preocuparam com a disponibilização dos resultados dos projectos financiados! Quantos desde 1995 estão escondidos a 7 chaves sem resultados conhecidos?? Disso não falam??

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.