quarta-feira, 21 de maio de 2014

Leopoldo Marechal


Leopoldo Marechal, de acordo com a palavra de Julio Cortázar, foi um dos maiores escritores da Argentina. O romance “Adán Buenosayres”, de 1948, é, para o autor de “Rayuela”, um dos mais belos do seu país.

Para além do romance, L. Marechal escreveu também poesia. Os seus dois últimos livros estão eivados de referências à Física (“El poema de Robot” e o póstumo “Poema a la Física”.)




O Poema Do Robot (excertos):

8
O meu primeiro incidente com Robot
(e, na minha alma, que abriu a grande fenda
que culminou em um crime de fratura piedosa)
foi o que aconteceu quando o nobre professor
Me ditava o Fator de Coesão
Dos núcleos estáveis ​​e instáveis​​.
Aqueles que, sem receios,
vão do aipo para a rosa, belos como almirantes;
aqueles que ainda entregam à emoção do vento
uma risada Pentecostal
à saúde do Cristo vivo;
a todos aqueles "raros" que ainda perfumam o cosmos
digo o seguinte:
A Física Nuclear liberta o odor
dos gases leves da Tabela Periódica;
e, aquele odor,  ao trabalhar em uma alma sensível,
Dá-nos o precipitado da melancolia.
Não é bom descer à matéria
sem agarrar primeiro os tornozelos do anjo:
Einstein, o matemático, salvou-se do abismo
porque mediu a noite com o arco
de um violino pitagórico.


9
Eu digo que face à estrutura frágil
do hélio, do néon e do árgon,
uma tristeza mineral
escureceu meu entendimento:
Alguma nostalgia de cravos
ou de filhotes irreverentes.
E, sobre as costas do Robot,
eu tossia fortemente.
Robot, atento, consultou seus registos,
e, na água incrível dos meus olhos,
vi um absurdo liquefeito.
Então, sensato, evaporou as minhas lágrimas
a cento e vinte graus Fahrenheit.


Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.