quinta-feira, 3 de abril de 2014

Não vacinar os filhos, uma moda que põe todos em perigo

Excelente texto de Daniel Oliveira sobre a perigosa moda dos movimentos anti-vacinas:

"Enquanto, por esse mundo miserável milhões de humanos lutam desesperadamente por não morrer de doenças banais, muitos europeus e norte-americanos surfam numa onda "New Age", feita de mitos e de teorias pseudocientíficas, onde a convicção vale o mesmo que a ciência. Mas não vale."
Ler mais aqui: http://expresso.sapo.pt/nao-vacinar-os-filhos-uma-moda-que-poe-todos-em-perigo=f863708#ixzz2xoTUHLVv

10 comentários:

  1. Deixo uma observação simples mas relevante, é preciso separar o que é uma tendência paganizante, das crendices, da ciência, e dos ataques declarados ao Cristianismo. A ciência pode ser tanto ou mais paganizante do que todas essas modas "New Age", por acaso, não estará a ciência, ela própria hoje refém da paganizante tendência do transhumanismo, declaradamente, relativista e anti-humano?

    ResponderEliminar
  2. O canal CM (Correio da Manhã) vem de passar uma reportagem e entrevistas em estúdio sobre o Candomblé. Todos dizem que eram católicos, um deles é cientista e assume a coisa como compatível. Olha que pantominice!!! Isto é um caso de tempo de antena para a crendice na TV privada. Há um grande mal espiritual neste momento na sociedade e, aparentemente a ciência parece falhar, começando na ciência económica. Nunca esquecer que a ciência e os cientistas estão na dependência de financiamentos, cuja agenda política nem sempre é muito clara.

    ResponderEliminar
  3. (...) "onde a convicção vale o mesmo que a ciência. Mas não vale."
    Tem razão, está na altura de limpar o pó e voltar a olhar para a produção científica independente.

    ResponderEliminar
  4. Esta questão das vacinas e do Bem Comum é curiosa. De um lado a liberdade individual e do outro a responsabilidade social, mas quem é que se serve disso para olhar a realidade das coisas?

    A sociedade é feita de indivíduos,
    a liberdade é feita de responsabilidade,
    o indivíduo é uma pessoa legal fictícia e morta.
    Reduzidos a nada, a expressão de uma Vontade tornou-se algo perigoso.
    Eis o Bem Comum do obsoleto!!!

    ResponderEliminar
  5. Porque é perigoso carimbar e denunciar um suposto movimento contra as vacinas de forma leviana?

    Trata-se de uma questão de liberdade e responsabilidade, a História revela como o Estado tem provado não ser uma pessoa de Bem, especialmente quando a sociedade está a crise.


    "Quando os psicopatas dominam, a insensitividade moral se espalha por toda a sociedade, roendo o tecido das relações humanas e fazendo da vida um inferno."
    Olavo de Carvalho
    http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/15076-2014-03-31-04-16-16.html

    ResponderEliminar
  6. Ó colega anónimo: pode explicar-se melhor a ver se eu percebo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 1º - Mina-se um país seduzindo os seus intelectuais (Universidade);
      2º - Depois os Média;
      3º - Segue-se a Educação.
      4º - Toda a sociedade passa a aceitar que 2+2=5 (no mínimo enviesado).

      Não sei qual a sua dúvida mas lembre-se que o sonho do Positivismo é o governo tecnocrático, com inevitável e deliberada eliminação da Política, assim dissolvendo o factor humano e crendo que as ciências exactas darão uma resposta satisfatória aos problemas da humanidade, coisificando o Homem. Ora temos aqui um caso de utopia aguda com mentalidade revolucionária crónica.

      Eliminar
    2. FDA Vaccine Insert Lists Autism as Adverse Reaction
      http://www.youtube.com/watch?v=r56CEZtGMp8

      Eliminar
  7. Com licença dos leitores, reproduzo aqui uns versos, que elaborei a propósito:

    Solução teórica

    Se há gente que
    adormeceu parada
    e acorda
    em andamento
    versos que
    dizem estrada
    eu acredito
    alguma vez
    uma teoria
    é a resposta
    (melhor que nada)
    de um problema
    que ela não resolve.

    ResponderEliminar
  8. A ciência é como a política, ela é parte do problema, nunca a solução.

    Joana Silva

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.