terça-feira, 4 de março de 2014

O casamento das professoras

Uma lei de 1937 que se aplicou a algumas leitoras e de que outras terão ouvido falar:


6 comentários:

  1. A ingerência do Estado na vida dos seus servidores era atroz. Por um lado sinalizava a importância dada à profissão. Mas não pode negar-se: era fascizante.

    ResponderEliminar
  2. Agora são as professoras que decidem com quem o ministro casa... :) Eu conheço várias a quem fez falta esta certificação obrigatória de marido e tenho a certeza que hoje gostariam que alguém as impedisse de casar com tal matrapilho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que saudades mal disfarçadas do botas... meu Deus!

      Eliminar
  3. Prezados leitores
    A compostura exigida sobretudo às professoras era até meados do século XX bastante transversal aos sistemas educativos. Esta lei, no mínimo, tão pouco simpática, reproduzia outras de países europeus e at+e dos EUA, estavando também de acordo com o modo de vida que as escolas impunham (Ver por exemplo, aqui: http://dererummundi.blogspot.pt/2007/08/doris-day-e-compostura-das-professoras.html )
    O espírito de Maio de 68 mudou, imediata ou mediatamente, muitas coisas e este tipo de imposição foi uma delas,
    Helena Damião

    ResponderEliminar
  4. Sim, é verdade que esta exigência de vida isenta de falhas era bastante transversal e já com décadas. Poderíamos levar a discussão num sentido sociológico e perceber que papel social era aceite à mulher quando lhe começou a ser autorizada uma função profissional com implicações na comunidade toda.
    A este propósito e para sublinhar esta transversalidade pode ler-se o início de um contrato de uma professora que vem reproduzido num livro bastante conhecido sobre a profissão de professor (Arends, R. Aprender a Ensinar, Fig. 1.1).


    Ana Silva

    ResponderEliminar
  5. Prezada Ana Silva
    Reproduzi esse contrato neste texto:
    http://dererummundi.blogspot.pt/2007/08/doris-day-e-compostura-das-professoras.html
    Obrigada.
    Helena Damião

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.