sexta-feira, 28 de março de 2014

ANTÓNIO BARRETO SOBRE AS BIBLIOTECAS


Excerto da apresentação de António Barreto na Biblioteca Nacional de Portugal sobre o livro de Paulo Mendes e meu "Biblioteca Joanina" (Imprensa da Universidade de Coimbra):

"Nestes tempos de SMS e de telemóveis, de Kindle e de e-mail, de Internet e de Facebook, é bom encontrar quem se dedique às bibliotecas e aos livros. Não sei bem o que acontecerá dentro de séculos. Mas, durante umas décadas, ainda teremos o livro como modo, instrumento, objecto e obra absolutamente especial. Não querendo cair na banalidade reaccionária, nada direi sobre o encanto especial do livro, muito menos sobre o seu cheiro ou as sensações tácteis que permite. Apenas sublinho o facto de os livros se manterem como a forma mais generalizada, mais segura e mais acessível de conservação, de divulgação e debate de cultura e saber.

Desde Alexandria até às mais modernas de Londres ou Paris, passando pelos mosteiros medievais, os palácios renascentistas e as grandes bibliotecas nacionais do século XIX, sem falar nos dois tesouros portugueses, as Joaninas de Coimbra e de Mafra, as bibliotecas constituem o primeiro monumento à cultura e à ciência, ao saber e ao estudo. É nas bibliotecas que eu sinto a minha pequenez e me dou conta da minha ignorância. É nas bibliotecas que eu me sinto tentado e estimulado. É nas bibliotecas que eu sei que ler é uma das mais importantes actividades humanas, que a curiosidade é a primeira qualidade intelectual dos homens e das mulheres e que perceber é talvez a maior fonte de prazer. É nas bibliotecas que fico extasiado diante destes monumentos à erudição. É nas bibliotecas, que existem há pelo menos dois mil e quinhentos anos, que encontro o verdadeiro significado das expressões “toute la mémoire du monde”, segundo Resnais, ou “tout le savoir du monde”, segundo toda a gente. Uma biblioteca é o único sítio do mundo donde eu saio sempre com a sensação ou a certeza de ter ganhado qualquer coisa"

António Barreto

Foto de Paulo Mendes da Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.