quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

O nosso íntimo pessoal

Assinalou-se há dois ou três dias a primeira década de existência de redes sociais na internet. Não se pode voltar atrás... Cada vez são mais as pessoas que as usam, milhões, milhões... O modo de comunicar já não satisfaz os mais jovens, que querem menos palavras e mais rapidez... Ferramenta essencial aos jornalistas... Estas foram algumas das frases dispersas que retive de jornais. Poucas, intervenções reticentes, ou reflexões mais profundas, o que vi sobressair foi a atitude "é assim, pronto!"

E, portanto, lembrei-me de José de Almada Negreiros....

"Cada um tem o seu destino universal de fazer consigo mesmo o modêlo de mais uma estátua humana. E esta fabrica-se apenas com o íntimo pessoal. O nosso íntimo pessoal é inatingível por outrem (…).

O nosso íntimo pessoal é de ordem humana, estética e sagrada. Serva apenas o próprio. É o seu único caminho (…). A individualidade e a personalidade são florescências dêsse invisível do nosso ser a que chamamos o nosso íntimo.

Não te metas na vida alheia se não queres lá ficar."

Negreiros, J. A. (1938). Nome de Guerra. Lisboa: Edições Europa. pp. 14 e 254

6 comentários:

  1. Um colega meu assinalou o facto de que, desde que existe facebook (há 10 anos), nunca ter sido publicado um post sobre o tema "Sporting campeão".

    Deste modo, encontra-se mais uma vez justificada a razão de nunca ter aberto conta naquela rede...se para tal não bastasse ser uma completa aberração do que eu considero ser uma vida social de respeito por si e pelos outros.

    Dervich

    ResponderEliminar
  2. O Face, como tudo o resto, depende do utilizador, a sua qualidade faz a qualidade do uso.
    Mas Almada tem razão, o íntimo é uma conquista de cada um, a estátua interior que se constrói. Fotos não são a estátua; e até podem impedir a sua construção.

    ResponderEliminar
  3. Sim grande romance e grande palavra, como algumas são.

    "... e com o sangue todo nas faces disse-lhe esta única palavra:
    - Desgraçador!
    Nunca mais esquece esta palavra."

    Página 24

    ResponderEliminar
  4. É verdade, o desgraçador e o nome de guerra - Judite. O João Gaspar Simões salvou o romance.

    ResponderEliminar
  5. É verdade, o desgraçador e o nome de guerra - Judite. O João Gaspar Simões salvou o romance.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.