domingo, 5 de janeiro de 2014

Eusébio, Soares e Amália, lá longe, no Arizona.


Não sou do Benfica nem de nenhum outro clube de futebol. Pertenço àquela classe de cidadãos que acha que há futebol a mais na nossa comunicação social. Mas Portugal é o que é e o “rei” deu grandes momentos de felicidade a milhões de portugueses. E estou-lhe grato por isso. Sempre tive grande simpatia pelo Eusébio, assim como tive pelo grande e malogrado Joaquim Agostinho, dois homens caracterizados por aquela humildade sadia que só os grandes sabem ter.

No dia do seu passamento, ocorre-me recordar um episódio que testemunha o quanto ele foi importante à escala mundial. Numa das últimas vezes em que participei na grande Feira Internacional de Minerais e Gemas de Tucson não quis deixar de fazer a quase religiosa peregrinação ao monumental Grand Canyon do Colorado, que tem ali, no Arizona, a sua mais grandiosa expressão e onde, pela primeira vez, me deparei, no concreto, com a enormidade do tempo geológico. Estão ali à vista, nos mil e seiscentos metros de profundidade deste vale, cerca de dois mil milhões de anos, pouco menos de metade da história do nosso Planeta.

Nessa deslocação pelos espaços subdesérticos do Far West americano, percorremos as planuras eriçadas de picos rochosos do Monument Valley, emblemática paisagem que John Ford divulgou por esse mundo através dos seus inesquecíveis westerns, e emocionei-me no bordo da Meteor Crater, um buracão com mais de um quilómetro de diâmetro e quase 200 metros de profundidade, aberto há cerca de 50 000 anos, num planalto desértico, pela queda de um gigantesco meteorito.

Monument Valley
Meteor Crater
Visitámos, ainda, em pleno deserto, uma pequena jazida com pegadas de dinossáurios, vistosamente anunciada à beira da estrada. Chegados ao local, marcado por uma espécie de barraca de madeira, com artesanato à venda, de onde sobressaía a bijouterie, à base de turquesa, surgiu-nos um navajo, com uma vassoura de cabo comprido nas mãos, e um crachá que o identificava como guia.

A vassoura era para ir varrendo a areia que o vento ia transportando para dentro daquelas depressões tridáctilas deixadas pelos carnívoros que por ali andaram há mais de 200 milhões de anos. À medida que varria, o índio ia-nos dando, no seu inglês, aquelas explicações que dava a toda a gente na sua condição de guia. No fim da visita, este homem, que só não era um dos perseguidos pelos cow boys de John Ford, porque usava chapéu como o dos “camones”, calçava botas de tacão alto, blue jeans e camisa country, virando-se para nós, surpreendeu-nos ao dizer «are you portugueese?!».

Face à surpresa que todos manifestámos, começou por dizer que, em criança, tinha frequentado a escola numa missão católica espanhola, e aprendera aí a falar o castelhano. Explicou, depois, que percebia perfeitamente a nossa conversa e que, por isso, devíamos estar a falar português. Sabia que Portugal ficava ao lado da Espanha, que a capital era Lisboa, banhada pelo rio Tejo.

Este descendente, em linha directa, dos asiáticos que há milhares de anos atravessaram o estreito de Bering, coberto pela calote polar gelada, relegado nos confins da reserva que os colonizadores europeus lhe deixaram, no seu próprio torrão natal, sabia mais do que se passava fora do ermo onde vivia do que a média dos “caras pálidas”, seus concidadãos ditos civilizados. Sabia que o nosso presidente se chamava Mário Soares e, entusiasmado pela nossa admiração, falou-nos da Amália Rodrigues e do fado, que gostava de ouvir, e do Eusébio, que achava o maior jogador do mundo.

A. Galopim de Carvalho

4 comentários:

  1. É sempre bom ouvir (ler) uma história destas sobre Portugal, e ainda mais com esse cenário...

    ResponderEliminar
  2. Uma história magistral, magistralmente contada.

    ResponderEliminar
  3. Obrigado Sr. Galopim de Carvalho. Aprendo consigo e agora também me emociono.

    ResponderEliminar
  4. Bela crónica.
    E agora é Ronaldo e Saramago. No Grand Canyon ou em qualquer lado, como ontem a bordo de um avião entre Atlanta e St. Martin. O interlocutor era um canadiano de origem indiana, estudante de medicina.
    onésimo

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.