sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Cabral do Nascimento

Poeta marcado pelo saudosismo e pela decadência, Cabral do Nascimento, com o seu livro de poesia "Cancioneiro", inscreveu o seu nome no melhor da poesia portuguesa do século vinte. A sua veia poética não passou à-margem de escritores como David-Mourão-Ferreira e Vasco Graça Moura. O último, inclusive, prefaciou a Obra Poética de Cabral do Nascimento, editada pela Asa.

Para o De Rerum Natura, escolhi o poema "Saturno e os seus anéis", onde a aversão do autor pelo luxo é evidente.

(O planeta Saturno tem sido explorado da melhor forma pela literatura, desde W.G.Sebald a Susan Sontag.)

"Que singular capricho
E que vaidade humana
O tem persuadido
A usar no Infinito
Essas jóias tamanhas?

Que imitação terrena
A sua vida expande!
Como pode um planeta
Assemelhar-se tanto
A um mortal qualquer?

Que mistério profundo
Envolve aquele rasgo
De exibição e luxo?
Na amplidão do espaço
Os anéis de Saturno ..."

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.