domingo, 26 de janeiro de 2014

"Domesticação": a palavra a que se chegou!

Na sequência de texto ontem publicado, registo o apontamento de uma socióloga sobre os comportamentos desajustados dos alunos do ensino superior e o tolerantismo por parte de quem tem o dever de os controlar:
“... as reitorias nunca tiveram vontade de expulsar a praxe ou de a domesticar sequer, porque os reitores precisam de ter os alunos do seu lado”. 
O olhar da especialista coincide com o meu olhar de leiga. Na verdade, não é sequer preciso procurar para se saber o que se passa e porque se passa: a evidência há muito que passou os limites físicos das escolas, impõe-se nas cidades e, agora, tem destaque nacional.

O estado a que se chegou, implica, nas palavras dessa socióloga, uma "da domesticação destas práticas", que "não é fácil de se conseguir”. Pois não, digo eu.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.