quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Vivemos numa democracia

O Parlamento inglês chamou  Alan Rusbridger, director do jornal The Guardian, a depor com base no argumento de que as notícias que permitiu que se publicassem sobre o caso Snowden comprometiam a defesa nacional. Prestei atenção quando, no telejornal, ouvi a pergunta:
"Ama este país?"
A resposta - conferi-a na internet - foi a seguinte:
"Vivemos numa democracia. A maioria das pessoas a trabalhar nesta história são britânicas patriotas, que têm famílias neste país, que amam este país. Estou ligeiramente surpreendido surpreendido que me façam a pergunta, mas sim, somos patriotas e uma das razões do nosso patriotismo é a natureza da democracia e a natureza da nossa imprensa livre e o facto de, neste país, poder discutir-se e noticiar-se estas coisas."
Em tempos estranhos, é (quase) estranho ouvir alguém fazer sobressair o valor Verdade e da Liberdade.

2 comentários:

  1. A resposta acentuou os valores que devem nortear qualquer jornalista. como o próprio inquirido referiu, "estou surpreendido".
    Mas o curioso é que sejamos nós a surpreender-nos com a resposta.

    ResponderEliminar
  2. Sim, o supreendente é, mesmo, surpreendermo-nos com o que deveria ser a regra, o normal, que passa a perecer-nos excepção.
    MHD

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.