terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Um voto para 2014

"Uma criança nascida hoje vai crescer sem qualquer conceito de privacidade. Nunca saberá o que significa ter um momento privado, um pensamento não gravado, não analisado. E isso é um problema porque a privacidade é importante, a privacidade é o que nos permite determinar quem somos e quem queremos ser."
Estas são palavras retiradas da mensagem de Natal de Edward Snowden, solicitada e emitida pelo Channel 4. São palavras que revelam a realidade terrível e temível em que todos, sem excepção, vivemos.

É terrível e temível por se ter delineado e instalado de modo (quase) silencioso e invisível. E por nos apanhar ignorantes, alienados ou acríticos.

Impõe-se uma pergunta: Não há nada que possamos fazer para recuperarmos a nossa própria vida? Snowden diz, nessa mensagem, que sim, que há:
"a discussão que há hoje irá determinar a confiança que podemos ter na tecnologia à nossa volta e no Governo que a regula (...) Juntos, podemos encontrar um equilíbrio melhor, acabar com a vigilância em massa, e lembrar ao Governo que se quer saber como nos sentimos, perguntar é sempre melhor do que espiar".
Esse é o meu voto para o ano que vai começar.

Nota: Não tendo ouvido a mensagem a que me refiro, as citações são de notícias lidas em jornais (por exemplo, esta).

3 comentários:

  1. Muito bom esse post, um voto muito diferente !

    ResponderEliminar
  2. Um post muito bom como tem acontecido com outros de Helena Damião, que tem um grande poder de antecipação de certos problemas. Como este, em relação ao qual deveríamos começar a criar correntes fortes de opinião que obrigassem os governos a ter mais cuidado com os cidadãos. Mas não é único, há muitas questões importantes que estão a passar ao lado das grandes mobilizações e dos grandes mobilizadores sociais,

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.