quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

A Universidade Actual e o Espírito de Tempos Idos

"Não pode exigir-se que haja um Dante em cada paróquia e exigir que os Voltaires nasçam com a profusão dos tortulhos” (Eça de Queiroz, 1845-1900).

Do comentário ao meu postUma Posição Pessoal Sobre a Prova de Acesso à Docência” (28/11/2013), subscrito por Pedro Miguel Santos e lido por mim com atenção e proveito, retenho e relevo o seguinte naco de prosa que reproduzo por considerar ser uma perspectiva a ter em devida conta por comungar do desalento de ambos por uma certa  “modernice” que paira sobre os claustros universitários. Escreveu este comentador: “As universidades portuguesas e os seus académicos deviam abraçar de novo o espírito de tempos idos”.
Desse corte com “o espírito de tempos idos” que, pesar de tudo, o não tenho como generalizado, embora, por vezes, possa haver uma certa, ou muita dose, de apatia na defesa de  uma tradição medieva e seus legítimos interesses, exceptuo os académicos (referenciados no meu post supracitado) Cristina Robalo Cordeiro e Reis Torgal, ambos  da mais antiga universidade portuguesa. De outros exemplos dou agora notícia sem qualquer ordem cronológica, correndo, ainda, o risco de omissão involuntária de outras personalidades ilustres da vida académica nacional. Mas  penso estar isento de pena grave  por “crime” não premeditado. São estes os outros exemplos:

Maria Filomena Mónica quando reclama um ensino universitário de qualidade: “Pela sua natureza, a universidade é uma instituição que deve ser frequentada pela aristocracia intelectual, que tem como vocação a universalidade e que deve adoptar como critério a exigência”.

Carlos Reis, num “Forum de Jornalistas”, disse:” Para a Universidade sou adepto de um modelo exigente e eltista”.

Vasco Pulido Valente, denunciou, no “Público”, o seu desalento por “um ensino, em particular um ensino superior, ineficiente e caótico e, além disso, irreformável”.

Vital Moreira não se acanhou em escreveu: “A ideia de democratizar o ensino superior pela via da banalização do acesso e pela crescente degradação da sua qualidade não é somente um crime contra a própria ideia de ensino superior, é também politicamente pouco honesta”.

Adriano Moreira havido como um dos senadores da vida política nacional, no Seminário “Reflexos da Declaração de Bolonha” (Coimbra, 12 e 13 de Novembro/2004), pôs o dedo na pústula da intenção clara em “universitar os politécnios ou politécnizar as universidades”.

Seabra Santos, ao tomar posse, pela primeira vez do cargo de Magnífico Reitor da Universidade de Coimbra, criticou a promiscuidade entre o ensino universitário e o ensino politécnico “porque concorrenciais entre si na formação de professores e engenheiros”.

Carlos Fiolhais, renomado académico de Física da Universidade de Coimbra, escreveu: "Além do ensino universitário há ainda o ensino politécnico, mas aí temos um problema de definição de objectivos, que deveriam ser distintos dos do ensino universitário”.

“Last but not least”, em final de vida, numa cerimónia académica, Aníbal Pinto de Castro, em minha recordação uma figura notável das Belas Letras em margens do Mondego, teve este grito de  revolta: “Não destruam. Não cedam. Não tenham medo porque a Universidade não pode ser uma instituição de caridade. Para isso há os asilo se a Mitra. Não pode ser um hospital de alienados”.
Entretanto, a acção dos reitores universitários, mereceu a crítica do sociólogo e académico de Lisboa, António Barreto: “No meio da agitação, com greves e manifestações, quase se não tem reparado no comportamento dos reitores das universidades, assim como dos dirigentes científicos das escolas. Com ressalva das excepções habituais, têm-se portado com toda a cobardia possível. Revelam duplicidade e esperam passar entre as gotas de água” (“Público”, 24/11/1996).
Porém, por eu ter tido conhecimento de bastidores que o “modus operandi”, de um modo geral, das equipas reitorais, em tempo de avanço belicoso e despropositado do ensino politécnico em investidas para ganhar terreno, era frouxo e pouco vísivel , na semana anterior à publicação deste artigo de António Barreto, por mim citado no parágrafo anterior, num meu esrito de opinião, tive como acto de justiça apresentar a seguinte excepção: “O Senado Universitário de Coimbra, em reunião de 6 de Novembro passado, não se exime de declarar que as proposta do Governo subverteriam a missão e objectivos dos Institutos Politécnicos e das Universidades e se traduziriam numa inaceitável degradação” (“Público”, 17/11/1996).

Hoje, numa altura em que se discute, uma vez mais, o rumo futuro dos dois subsistemas do Ensino Superior, o Governo e a Universidade, sem complexos de elitismo, como coisa má, perversa e anti-democrática, ganhariam em reflectir sobre este texto do sociólogo italiano Francesco Alberoni: “Na verdade a pedagogia que nivela tudo por baixo no intuito de esbater as diferenças tem como consequência tornar ignorantes milhões de pessoas e não privilegiar aqueles que podiam ir para a universidade e para escolas de excelência com professores respeitados e programas rigorosos; é por esta razão que há cada vez mais pessoas a quererem uma escola mais sério, mais rigorosos, com professores preparados e mais respeitados”.
Esta oportunidade (que seria muito grave desperdiçá-la por ficar tudo, ou quase tudo, na mesma em jeito bem português!) representa uma ocasião soberana para o rufar de tambores de quem se mostra disposto a defender princípios seculares da Cultura e do Conhecimento Científico e o toque de clarim de revolta de homens sábios perante um clima de desastre que corre o risco de criar raízes nos claustros universitários, aberrantemente,  em duvidosa promiscuidade com o ensino politécnico. Um ensino politécnico incapaz de criar um “corpus” próprio, tão-só, em pretendida clonagem de graus académicos universitários espreitando, para além de outorgarem já licenciaturas e mestrados, uma qualquer oportunidade, ou mera distracção do poder político, para se arrogarem ao “direito” de atribuírem doutoramentos, até aqui da exclusiva atribuição  por parte da Universidade.

Seja exigido, portanto, como coisa boa e justa, a excelência do Ensino Superior e seus dois subsistemas - universitário e politécnico - dentro de limites devidamente tipificados, sem qualquer resignação da dignidade e finalidade de ambos, mas sem permitir, “à outrance”, intromissões de foices politécnicas  em seara alheia universitária pela defesa, em reduto inexpugnável, do princípio  estabelecido pelo direito da Roma Antiga: “Suum cuique tribuere”. Ou seja, dar a cada um o que é seu!
Entretanto, recue o leitor comigo a décadas passadas. O objectivo inicial da criação das Escolas Superiores de Educação foi a elevação formativa dos professores do antigo ensino primário que se fazia, com muita seriedade e dignidade, nas antigas Escolas do Magistério Primário. Assim, passou  esse objectivo a ser cumprido no chamado ensino politécnico com a atribuição apenas de bacharelatos. Mas logo daí se partiu, por pressão sindical e  dos  seus directos interessados, para a formação de professores do 2.º ciclo, a nível de licenciatura, e a pretensão de chegar à formação de professores do 3.º ciclo do básico e até secundário, acrescentando a essa  formação novos  cursos, alguns deles em espaços ocupados habitualmente por escolas universitárias. Ou seja, assistiu-se ao aparecimento de universidades de segunda classe pelo desapareimento de um ensino politécnico de primeira classe.

É este, em muitos casos, o actual panorama de um ensino superior promíscuo, criticado severamente  por um antigo secretário de Estado do Ensino Superior e Investigação Científica, António Brotas: “Tem que se acabar com algumas coisas. Uma é acabar com a sagrada mania da uniformidade”. E exemplifica com o caso seguinte: “No Técnico há 120 doutores em Química. As escolas superiores de educação, que têm zero doutores em Química, arrogam-se ao direito de formar docentes em Química. É isto. Um absurdo!” Ou seja, uma pretensão megalómana que Eça, em farpas desferidas sobre o cachaço taurino dos usos e costumes da vida social do seu tempo, teria hoje, e passo a citá-lo, como “a igualdade do insignificante e do medíocre”! 

Do passado do ensino universitário e politécnico privados, estamos todos recordados de escândalos públicos recentes Mas o que esperar do futuro dos dois subsistemas oficiais do Ensino Superior? E aqui, porque a rir se criticam os costumes, remeto o leitor para Mark Twain: “A profecia é algo muito difícil, especialmente em relação ao futuro”!

10 comentários:

  1. Mas eu ainda vou mais longe, mesmo lá para trás da linha da evolução...

    Encontramo-nos em processo de criação plena, mas na sua fase de destruição. No fundo, o que se pretende é a construção do Homem supranacional, nómada, que seja capaz de sete ofícios e de viver na Lua por força da adaptação. É o processo de evolução europeu com intermitentes recaídas de patriotismo e consequente anarquismo crescente. Por cá, nivela-se pelo medíocre, procurando que o rebanho seja obediente, útil, multifacetado, trabalhador e precário. Porque interessa que as pessoas sejam pobres de vontade, dóceis, a precisar do chefe ou do senhor. Não é disto que se alimentam os tiranos? A democracia dissimula-os através de processos de estupidificação do povo. O cisne perdeu a voz porque, sem dinheiro, a necessidade ocupa o espaço do pensar e o corpo assume posturas mímicas de cristianismo porque o olhar é obrigado a ascender quando se torna deserto. Toscos progressos de espiritualização. O que fazer com os doentes, desempregados, velhos, anos e anos a fio, com um estado subsidiário em falência e pouca gente no ativo? Fazê-los acreditar na santíssima trindade: Deus, D. Sebastião e voluntariado. Fundamental para o burro continuar a sua caminhada na miragem da apanha da cenoura.
    Por outro lado, pobres como somos e com o legado histórico de que sofremos, é difícil impor parâmetros de exigência e de qualidade porque os mesmos não foram semeados. O terreno é baldio, acidentado, pouco cuidado, deixado à revelia das intempéries e dos animais selvagens com umas plantas comestíveis aqui e acolá, muito sensaboronas.
    O problema real passa pela condenação do homem à sua condição mais precária, ausente da riqueza e da plenitude com uma moral de escravo e um baixo instinto de felicidade.
    Haverá alguma coisa para ensinar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em nosso tempo tudo muda conforme as conveniências de certos figurões, do interesse dos poderosos e em função da dinâmica duma sociedade de maus costumes. Das definições sobre este "statu quo", que tenho como mais espirituosa, colhi-a no "Finantial Times" (10/03//2004): "Os revolucionários em Portugal já não são o que eram. Agora identificam-se pelos seus fatos listados e telemóveis topo de gama"!

      Eliminar
  2. Rancière e o fenómeno político5 de dezembro de 2013 às 19:31

    Ó Rui Baptista, não acha que deveríamos ser todos amiguinhos, enquanto a barcarola afunda, e abandonar as nossas resistências à paráfrase de uma sentença do Deng Xiao Ping dos anos 60: "Pouco importa que um gato seja vermelho ou branco, o que importa é que apanhe os ratos como deve ser"?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. È bem certo que vivemos numa sociedade em que o mérito dos professores foi substituído pela mediocridade em nome do cinismo em se dizer que se quer ser obreiro de uma sociedade mais fraterna, mais humana, mais justa, mais responsável, mas que tudo contabilizado vive à custa do slogan, vomitado da boca para fora de fígado bilioso, de que o futuro do país está na sua juventude. Uma juventude sem ética em nome de um “homem novo” que apenas nos traz a novidade da criação de verdadeiros monstros.

      Em resumo, vivemos num mundo incubador de futuros monstros que, segundo Raymond, “reivindicam direitos sem proclamar obrigações, querendo o impossível, jogando às utopias ou às catástrofes”! E será um perverso sistema eucativo uma espécie de cadinho da alquimia que fará nascer esse “homem novo”? Não contem comigo na pia baptismal, com o meu silêncio, a minha atitude de deixar correr o marfim e, muito menos, com minha cobardia a apadrinhar tamanha aberração.

      Nem quero ser, ainda que mesmo mero figurante de um filme de terror em que é pretendido convencer os basbaque da plateia que quanto pior for a formação dos professores melhor será a qualidade do ensino! Já me vai faltando a pachorra para tanto disparate junto em nome do amiguismo de um país de falso porreirismo!

      Nem mesmo Deng Xiao Ping com a sua adesão tardia ao socialismo de mercado me consegue convencer do contrário. Como dizem os ingleses, “my mind is made-up, d’ont confuse it with facts”. E, muito menos, com gatos vermelhos a caçar ratos incautos!



      Eliminar
  3. Estou convicto de que os nossos tempos nos escapam, como se a carruagem em que vamos fosse o tempo das "autoridades" de escotilha, sentadas à janela e o tempo do mundo fosse o das pessoas sem futuro, o nosso futuro. O capital não conhece fronteiras, nem religiões, ciências, cores ou notas musicais. Se alguma vez o homem foi o centro do universo, não sei quando, já não é. E nem sequer é um limite, uma fronteira, ou uma razão para opor, ao capital. Estamos todos rendidos, não aos encantos, nem à bondade, nem à necessidade, nem à fatalidade, do capital, mas à sua racionalidade primária, ao seu veneno, que vai sendo aceite como um remédio...como se precisássemos de um remédio para doenças imaginárias. Mas não, precisamos de um remédio para uma patologia mais real do que podemos imaginar, as formas atuais de capitalismo, ou melhor, as justificações teóricas que são apresentadas para um capitalismo sem qualquer justificação moral. De resto, a crise dos últimos anos é um sintoma sério de que intervencionar ou desintervencionar é sempre uma forma de intervencionar. E os resultados estão à vista. O que falta não é pouco: interpretar, diagnosticar e...pois, há doenças incuráveis, mas não será para sempre.

    ResponderEliminar
  4. Pois muito bem. Concordo com voxências mas vou recordar: universidades existem, em cujos departamentos de educação, em tudo iguais aos dos politécnicos, por vezes de pior qualidade, como no caso da univ de "algures", onde os profs têm carreiras plenas como profs univs, podendo chegar, imagine-se, a catedráticos.

    Assim, por exemplo, a univ § que forma educadores de infância convidou para o departamento de artes, como profs convidados, 2 educadores de infância, para ministrarem uma "expressão". Como é sabido a formação dos educadores de infância é básica. Assim esses dois profs universitários convidados pelo coordenador amigo, foram fazer o último ano da especialidade da "expressão" num instituto Piaget. Todos sabemos que não há qualquer passagem do último ano de educação de infância para o último de qualquer via especializada de "expressões", mas no ensino privado fazem-se milagres...

    Saindo do Piaget como professores "especialistas" para o 2do ciclo de ensino da expressão §, foram a salamanca fazer um doutoramento no ensino da dita cuja expressão, sendo agora professores doutores em plena legalidade. Qualquer aluno de 11 anos, do 4º grau de qualquer conservatório da "expressão" § sabe mais, imensamente mais, que eles, mas eles são os doutores no ensino da expressão e quiçá, já professores agregados com doutoramento de uma universidade pública, onde entraram como assistentes convidados, hoje a coordenar o departamento das expressões e a orientar mestrados, numa outra expressão! Isso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma verdadeira vergonha!

      Pena é que o nome dessa(s) universidade(s) esteja sob anonimato. Serão, ao menos, universidades do tipo canguru que metem na bolsa marsupial escolas do ensino politécnico? Venha para a luz do dia o(s) respectivo(s) nome(s). O seu comentário sob anonimato o permite sem o perigo de retaliação de uma sociedade de lápis azul de triste memória.

      A título de informação prévia, as universidades de Aveiro, do Minho (sediada em Braga) e do Algarve são exemplos paradigmáticos de integração de cursos politécnicos , mas que mantêm o estatuto de politécnico, atribuindo, como tal, “apenas” os graus de licenciado e de mestre estando-lhes vedado outorgar doutoramentos. E aqui surge o chico-espertismo nacional em se fazerem doutoramentos de pontapé nas costas em associação com universidades públicas e privadas, ainda que mesmo em tempo de vacas gordas, que se renderam m ao trono dourado de um qualquer Rei Midas. E este facto mais tende a agravar-se em tempo de vacas magras em que pouco falta que os seus responsáveis se ponham à porta para aliciarem inscrição de alunos, como o acontecido na lisboeta Rua dos Fanqueiros com os seus empregados postados às portas das casas comerciais para angariarem clientes entre os transeuntes que por lá passavam em descuidado passear!

      Quanto aos verdadeiros doutoramentos (num tempo em que Portugal não se punha de cócoras perante universidades estrangeiras mesmo que de grande e cimentado prestígio ) tinham que passar por um crivo exigente para serem reconhecidos neste cantinho ocidental da Europa. Hoje é o que se vê e que se sabe e mesmo aquilo que não se vê e não se sabe. Ou seja, é um fartar vilanagem com vilões deste país a brotarem debaixo dos pés como cogumelos venenosos em terreno húmido da ignorância.

      (CONTINUA)

      Eliminar
    2. (CONTINUAÇÃO)

      Disso mesmo nos deu conta Francisco de Sousa Tavares, ao escrever: : “Estamos a formar não um país de analfabetos como até aqui, mas um país de burros diplomados”! Aliás, semelhante parecer colhi-o num artigo de jornal do falecido professor António José Saraiva em crítica severa à ”DIPLOMOCRCACIA” reinante em Portugal. Em adenda minha, que envolve parte da sociedade portuguesa em papel de pergaminho com selo de prata, a exemplo de brasões comprados, em tempos idos de uma monarquia agonizante que fazia filhos de algo com dedos papudos de plebeus que faziam fortuna no Brasil.

      Ou seja, instalou-se o caos do pedantismo no ensino superior nacional: Há universidades públicas e privadas, ensino politécnico público e privado, ensino universitário com ensino politécnico integrado, ensino universitário “tout court”, numa espécie de rol de lavadeiras que levavam nas trouxas camisas de dormir de senhoras e ceroulas de homem numa promiscuidade pouco asseada.

      Mas estou-lhe reconhecido, todos nós devemos estar-lhe agradecidos, por trazer a público toda esta verdadeira bagunça de um ensino (dito) superior à rédea solta da tutela oficial por passar a estar condicionado pelo interesse dos seus diplomados – alguns deles pessoas aparentemente ilustradas que se sentam em bancadas de S. Bento -, por dirigentes sindicais que se auto-promovem e que em pesca de arrasto levam consigo os seus associados com diplomas de ensino superior que não valem um caracol furado, etc.

      Com mais destes etcéteras seria possível escrever páginas e páginas de um calhamaço de casos de oportunismo e nome dos oportunistas.

      Já agora, para não haver o opróbrio de uma perigosa generalização que seja tornado público o nome da(s) universidade(s) a que se reportava no seu texto.. Mesmo em parto difícil, a necessitar de fórceps, não a(s) deixe no segredo dos deuses sob pena infernais de conivência moral.. Já se deve ter apercebido que não me contento com meias medidas na terapêutica de uma doença que não se compadece com paninhos quentes. Necessita do bisturi da crítica pública que ponha nu todo o escândalo onde ele houver!

      Embora eu não aprecie gastar cera com ruins defuntos não posso de deixar de o fazer, como vacina, para evitar novos Miguéis Relvas ou Sócrates que, ao contrário do grego da Antiguidade, não sabe que nada sabe! Mas foi capaz de saber que Paris é a Cidade das Luzes, uma espécie de elixir de sabedoria, ainda que , por vezes, de propaganda enganosa!



      Eliminar
    3. Errata1.ª linha do 2.º § do meu comentário
      do dia 6 (22:50):

      Deverá passar a ter a seguinte redacção: "Pena é que o nome dessa(s) universidade(s) não conste".

      Eliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.