quarta-feira, 20 de novembro de 2013

“O Atlas do Corpo e da Imaginação”, de Gonçalo M. Tavares

A propósito do livro “O Atlas do Corpo e da Imaginação” (Caminho), uma obra de Gonçalo M. Tavares, o autor deu uma  entrevista ao último Jornal de Letras. Li e deixo aqui excertos:

"Há coisas que só são produzidas quando se pensa passo-a-passo, como a Ciência."

“Ninguém imagina Miguel Ângelo a fazer uma pincelada, depois a responder a um email e voltar outra vez à pintura. Os artistas passavam semanas fechados num compartimento, sem falar com ninguém, só saíam para comprar comida, sem largar o seu objecto. Há obras de arte que só podem aparecer se uma pessoa estiver uma, duas, três, quatro, cinco horas em frente delas, sem mudar a sua atenção para outro lado. E este tempo prolongado com o mesmo objecto, concentrado, é qualquer coisa que as tecnologias e o mundo contemporâneo estão a perturbar.” … “se um artesão está a fazer um objecto e de dois em dois minutos levanta a cabeça há uma dispersão.”

"Definir um método é definir uma conclusão. A escolha da forma é já dizer aonde se quer chegar. (…) A escolha da metodologia é a escolha de tudo, sobra pouco. Gosto mais da ideia de para o mesmo problema podermos escolher diferentes metodologias e caminhar até ao fim ou até quando for possível, porque chega-se a diferentes focos sobre o mesmo problema."

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.