sábado, 12 de outubro de 2013

INDISCIPLINA NA ESCOLA


Conferência- chave de educação da Fundação Francisco Manuel dos Santos na quinta e sexta-feira próximas em Lisboa e Braga, respectivamente.

Clique aqui para saber mais.

Apresentação do tema:

A indisciplina é um tema que aparece como uma das principais preocupações dos professores e dos pais quando se fala da escola. Nesta conferência procura-se perceber o que é a disciplina e a indisciplina, e quais são as estratégias usadas na escola, pelos professores, para enfrentar esta mesma indisciplina: antes de mais, há muita indisciplina nas escolas? Há hoje mais indisciplina do que há alguns anos atrás? Rir alto na aula pode ser considerado indisciplina? E bater no colega? Onde acaba a indisciplina e começa a violência? Existem casos graves de indisciplina em Portugal? Quem sente mais a indisciplina? O que fazem as escolas e os professores para impedir que haja indisciplina e, quando esta ocorre, para a travar? Estratégias como a expulsão da escola resultam ou pioram o problema? Existem outras alternativas? Como se relaciona a (in)disciplina com o (in)sucesso académico? O insucesso dos alunos é maior porque eles são indisciplinados ou eles são mais indisciplinados porque têm insucesso? O Novo Estatuto do Aluno está a melhorar o clima nas escolas? Uma especialista norte-americana apresentará algumas medidas testadas que permitem atenuar este fenómeno e reflectirá sobre os seus resultados, enquanto que um psicólogo português procurará traçar um retrato sobre a realidade portuguesa. Os nossos alunos são indisciplinados? Como podem as nossas escolas melhorar neste aspecto?

1 comentário:

  1. Enquanto os professores disserem palavrões (sobretudo com referência, velada ou explicita, ao órgão genital masculino) não há bons exemplos e, portanto, é difícil que haja disciplina.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.