segunda-feira, 23 de setembro de 2013

António Ramos Rosa

Um poema de Ramos Rosa, que hoje partiu.


Não Posso Adiar o Amor

Não posso adiar o amor para outro século
não posso

ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração

António Ramos Rosa
Poema constante na obra Viagem Através de uma Nebulosa

1 comentário:

  1. Quem deixa coisas tão bonitas não morre no completo. Esvanece. Mas deixa o imortal de si. A maioria dos homens é rasto de cometa, lembrança de memória frágil a quem a vida acena. Mas, António Ramos Rosa permanece.
    Bem Haja, Poeta. Obrigada.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.