sexta-feira, 30 de agosto de 2013

MANIFESTO PELA COMUNICAÇÃO DE CIÊNCIA EM PORTUGAL

Na sequência do tiro no pé que é o encerramento da área de promoção da ciência e tecnologia, foi criada um manifesto que pode ser assinado on-line, com vista à reversão desta situação.

Para: Exma. Sra. Presidente da Assembleia da República, Doutora Maria da Assunção Esteves; Exmo. Sr. Ministro da Educação e Ciência, Professor Doutor Nuno Crato; Exma. Sr.ª Secretária de Estado, Professora Doutora Leonor Parreira; Exmo. Sr. Presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia, Professor Doutor Miguel Seabra

No concurso aberto este ano para atribuição de bolsas individuais da Fundação para a Ciência e Tecnologia, a entidade que em Portugal gere a maior parte dos fundos públicos para a ciência, foi eliminada a área científica denominada Promoção e Administração da Ciência e Tecnologia (PACT). Criada em 2005 esta área tem permitido que se faça investigação a nível de doutoramento ou pós-doutoramento em Comunicação de Ciência.

Os bolseiros beneficiários deste financiamento têm conseguido: 
- Conceber e implementar projectos originais e inovadores para promover o conhecimento científico junto da comunidade (tais como eventos, espectáculos, exposições, livros, documentários, etc.); 
- Compreender as percepções, as mudanças de pensamento e atitude do público para com a ciência e tecnologia e estudar; 
- Avaliar o impacto das actividades desenvolvidas tanto junto do público-alvo como da comunidade científica. 
- Contribuído para o avanço do conhecimento do campo científico emergente em que se tornou a comunicação de ciência, publicando o seu trabalho em revistas internacionais com revisão por pares e apresentando-o em congressos internacionais. 

Recentemente os bolseiros PACT contribuíram com mais de metade das comunicações que foram apresentadas no 1º Congresso de Comunicação de Ciência em Portugal, que decorreu em Maio de 2013 em Lisboa (e com segunda edição já agendada para Maio de 2014 no Porto). 

Os bolseiros PACT, juntamente com outros investigadores, gabinetes de comunicação dos institutos e faculdades, museus e centros Ciência Viva, têm contribuído ativamente para trazer a discussão da ciência e tecnologia para o espaço público e conseguido chegar a diferentes tipos de público. 

Para além disso, os Investigadores PACT de doutoramento e pós doutoramento têm desempenhado um papel fulcral para a compreensão das necessidades do público e da comunidade científica neste âmbito, na procura das lacunas na literacia científica, na reflexão sobre a prática feita - muitas vezes em associação com investigadores de Sociologia, de Ciências de Comunicação ou da Educação. 

Caminha-se para o paradigma europeu da multidisciplinaridade e da necessidade de incluir estudos de ciência na sociedade em todo o tipo de projetos científicos; acreditamos que é um bom caminho. Também neste ponto as PACT têm refletido estas práticas com painel de avaliação constituído por três investigadores de áreas científicas distintas e complementares: um matemático com larga experiência em divulgação de ciência, um sociólogo e um especialista em ciências da educação. O perfil dos candidatos selecionados tem sido também espelho desta multidisciplinaridade, cruzando competências das ciências exatas e das da vida com ferramentas de comunicação e medição do impacto. 

Em qualquer tipo de enquadramento económico a aposta na ciência é fundamental para um futuro melhor. Nesse contexto, a promoção da ciência assume-se como uma prioridade estratégica, que é fortemente abalada com o fim da área de Promoção e Administração da Ciência e Tecnologia. 

Assim, os abaixo-assinados, reclamam a manutenção da aposta na promoção da ciência, como pilar fundamental da política científica em Portugal, no âmbito do qual as bolsas PACT têm um papel único: de fazer e refletir sobre a prática contribuindo para fomentar a discussão pública das implicações dos desenvolvimentos científicos e tecnológicos e na fomentação da literacia científica. 

David Marçal 
Eunice Sousa 
Joana Lobo Antunes
Luís Azevedo Rodrigues
Sílvia Castro

Pode assinar o manifesto aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.