quarta-feira, 15 de maio de 2013

O GOVERNO QUÂNTICO


Minha crónica no "Público" de hoje:

Em 1935 o físico austríaco Erwin Schroedinger exibiu as dificuldades conceptuais da teoria quântica, então recente, criando um paradoxo que ficou conhecido por “gato de Schroedinger”. De que dificuldades se trata? Nessa teoria, que governa o comportamento do mundo microscópico, um estado de um sistema pode ser uma sobreposição ou mistura de dois estados possíveis, mas opostos. Contudo, quando se efectua uma observação, encontra-se, não o estado de mistura, mas sim um ou outro dos estados opostos. Só podemos a priori conhecer probabilidades de obter um estado ou outro. No exemplo de Schroedinger, o gato está fechado dentro de uma caixa e um dispositivo quântico pode matá-lo. Antes de abrirmos a caixa, o gato está numa sobreposição de vivo e morto. Mas, quando a abrimos, verificamos que o gato está vivo ou morto e não as duas coisas ao mesmo tempo. Schroedinger interrogou-se sobre esse mistério quântico: como pode um gato estar vivo e morto ao mesmo tempo?

O actual governo de Portugal é quântico, quer dizer, parece-se com o gato de Schroedinger. Se não observarmos está entre o vivo e o morto. Assim uma espécie de zombie. Quando o observamos está, por vezes, vivo e, noutras vezes, morto. Numas ocasiões está a seguir fielmente o que diz a troika - o governo está vivo – e noutras ocasiões protesta contra os “senhores da troika” – e está morto. Olhamos para Vítor Gaspar, ministro de Estado e das Finanças – e o governo está vivo; mas olhamos para Paulo Portas, ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros – e o governo está morto. Portas esclareceu que uma coligação não é uma fusão. Pois não: é uma confusão.

Esta característica quântica do governo levanta uma questão semelhante à de Schroedinger em relação ao seu gato: como pode um governo estar vivo e morto ao mesmo tempo? Se aceitarmos a ideia de sobreposição de contrários, estará mais vivo do que morto ou mais morto do que vivo? Nos últimos tempos, está, sem dúvida, mais morto do que vivo. Luís Marques Guedes, ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, referiu-se por um lapso que é revelador, ao seu colega Paulo Portas como “líder do principal partido da oposição”. O governo tem a oposição dentro de si, enquanto a oposição cá fora, apesar de ruidosa, é inofensiva.

Lili Caneças afirmou um dia, numa frase que ficou célebre, que “estar vivo é o contrário de estar morto”. Ora isto é sabedoria clássica, ultrapassada pela sabedoria quântica. Não foram os portugueses que descobriram a teoria quântica, mas existem, na nossa língua, expressões quânticas como estar “mais morto do que vivo”, o que, de facto, significa, estar mais vivo do que morto, embora por pouco, isto é, às portas da morte. Também dizemos “mais para lá do que para cá” para descrever o mesmo tipo de situação. Temos, portanto, um lado quântico em nós que vai além do nosso lado Lili Caneças. Mesmo o fado cantado por Amália Rodrigues, “É ou não é”, que, a avaliar pelo título parece clássico, pois não há justaposição de opostos, é afinal quântico a avaliar pelo final do refrão, que contém uma reviravolta surpreendente: “Digam lá se é assim ou não é?/ Ai, não, não é! / Digam lá se é assim ou não é?/ Ai, não, não é! Pois é!”

Pois é. A lógica quântica não é fácil de perceber. Como é que um governo pode diminuir as pensões aos reformados da função pública e, ao mesmo tempo, garantir o pagamento integral das mesmas pensões? O porta-voz do “maior partido da oposição”, João Almeida, tentou explicar a confusão. Mas tudo ficou ainda mais confuso: ele tem a "profunda convicção de que a medida nunca será aplicada", pois "o cenário de ela ser aplicada seria contrariar uma decisão do Conselho de Ministros". Acontece que a extraordinária medida de aumentar a austeridade dos depauperados pensionistas foi mesmo aprovada em Conselho de Ministros (extraordinário) e enviada à troika para garantir o pagamento da próxima tranche do empréstimo. Mas mais: sabemos, por  Vítor Gaspar, que o referido corte será aplicado em caso de “absoluta necessidade”, coisa que  não nos tem faltado. Por um lado, há a “absoluta convicção” do porta-voz e, por outro, a ”absoluta necessidade” do ministro. Vamos ver se ganha a convicção ou a necessidade. Aceitam-se apostas.

O que falta hoje ao governo? Obviamente um rumo claro. Mais austeridade ou crescimento económico? Mais miséria ou sensibilidade social? O primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, que tem estado do lado de Vítor Gaspar, não pôs na ordem Paulo Portas quando este, com evidente quebra do dever de lealdade, se demarcou publicamente de um documento aprovado em Conselho de Ministros. Passos Coelho perdeu uma boa oportunidade de afirmar a sua autoridade face à oposição interna. E um governo sem liderança só pode andar ao acaso, não podendo nós adivinhar para onde vai.


7 comentários:

  1. Este texto é uma tristeza total.

    Pela ordem de ideias do Fiolhais uma árvore seria um caso de sobreposição quântica observável, pois numa árvore existem partes vivas e mortas, simultaneamente....Este é o problema das analogias. Em quântica (nem no famoso gato) não existe tal coisa como estar "mais morto do que vivo". E, por outro lado, e o mais fundamental, é que o gato quântico só é paradoxal se for tomado como um todo sem partes, como uma partícula elementar. Se tiver partes - como um governo de um país que é constituído por diversos membros - então é uma patetada completa dizer que se encontram em sobreposição de estados. Ou seja, o Fiolhais ao quer ser engraçado à força, acaba por produzir uma analogia sem sentido e sem inteligência.

    ResponderEliminar
  2. É preciso sentido de humor para entender o que o autor deste texto quer transmitir. E de facto o governo, na minha opinião, está mais morto do que vivo seja num todo ou em partes, porque quem "governa" não é só uma parte, Vitor Gaspar, que é um todo, os outros são paisagem cinzenta.

    ResponderEliminar
  3. Trilionésima crónica jornaleira sobre o "estado" do governo, ou o astral, ou as potenciais desavenças, ou se se dão bem ou se dão mal, se falam muito ou pouco, se no tom certo ou errado, se têm postura de estadista ou não, se o nó da gravata tá direito ou o teleponto torto, se este fala bem ou aquele é menos eloquente, sobre o quão ofendidos estamos por algo que alguém tentou dizer possa ter soado a deselegância ou mau jeito ou insensibilidade ou o cacete...
    Boa era a guarda pretoriana da quadrilha que nos levou à bancarrota toda muito alinhadinha e ensaiada em frente a audiências contratadas à hora do telejornal?
    E o "rumo" que supostamente falta a este governo qual governo é que teve depois do 25 de Abril?
    E pela trilionésima vez, desde quando o "crescimento" económico é uma opção política...?! As empresas também podem "optar" pelo lucro? Ou eu por quanto consigo vender o que produzo?
    Quais são os pensionistas que não se podem taxar, os que recebem 200 euros ou os de 10 mil? Ainda não entendeu que só confunde na mesma palavra quem quer manter os "direitos adquiridos" dos últimos? Pense por exemplo em quantos depoutados passaram na AR nos últimos 30 anos. 95% deles "ganhou" direito a reforma vitalícia por poucos anos de trabalho. E milhares de jovens desempregados "ganha" hoje a obrigação de lhas pagar e receber zero quando chegar a sua vez?
    É difícil achar graça a algo que espremido não deita uma gota de substância. Mas há sempre gostos para tudo.
    Cumps,
    Buiça
    manuelbuica@hotmail.com

    ResponderEliminar
  4. SEM DÚVIDA:

    O que falta hoje ao governo? Obviamente um rumo claro. Mais austeridade ou crescimento económico? Mais miséria ou sensibilidade social? O primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, que tem estado do lado de Vítor Gaspar, não pôs na ordem Paulo Portas quando este, com evidente quebra do dever de lealdade, se demarcou publicamente de um documento aprovado em Conselho de Ministros. Passos Coelho perdeu uma boa oportunidade de afirmar a sua autoridade face à oposição interna. E um governo sem liderança só pode andar ao acaso, não podendo nós adivinhar para onde vai.

    ResponderEliminar
  5. O que mais apreciei foi a análise à nossa esquina quântica, que não se cinge a um ângulo, é antes um lado.

    Quanto ao governo: é um des há tempo demais.

    ResponderEliminar
  6. Trata-se de um facto extraordinariamente simples de explicar. Como os cursos dos personagens, um na católica e outro na lusófona, são de carácter duvidoso, decidiram aprofundar os seus conhecimentos com uma determinada senhora alemã (não fosse esta ser cidadã do país onde surgiu essa tão nobre teoria). De facto, o verdadeiro alvitrador da teoria quântica (trazida a lume precisamente em 1900) também parecia ilumniado com algumas e interessantes ideias políticas.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.