domingo, 28 de abril de 2013

What Do Scientific Studies Show?


http://opinionator.blogs.nytimes.com/2013/04/25/what-do-scientific-studies-show/

John Ioannidis, in a series of highly regarded analyses, has shown that, in published medical research, 80 percent of non-randomized studies (by far the most common) are later found to be wrong.  Even 25 percent of randomized studies and 15 percent of large randomized studies — the best of the best — turn out to be inadequate.

(via Instapaper)

5 comentários:

  1. Não seria ciência se assim não fosse...!

    ResponderEliminar
  2. Extamente, Daniel. Como diz muito bem o texto referido:

    «"Why, then, do scientists even bother with correlational studies, most of which they know will turn out to be wrong? One reason is that such studies are excellent starting points for deciding which hypotheses to evaluate with the more rigorous R.C.T.s. (Correlational studies are also important in a number of other ways.) Contrary to what many non-scientists seem to believe, the key feature of empirical testing is not that it’s infallible but that it’s self-correcting. As the physicist John Wheeler said, “Our whole problem is to make mistakes as fast possible.”»

    ResponderEliminar
  3. Quase toda a ciência sofre, hoje, da ignorância da super-especialização de quem a faz. A invalidade só pode conduzir à invalidez.

    Entretanto, os senhores do mundo fazem o que querem e suprimem a tecnologia e o Saber a seu belo prazer.

    ResponderEliminar
  4. Ciência? Qual ciência? A das pipocas e dos cifrões? A dos calores do aquecimento global? No hemisfério norte vai um calor e que calor no mês de maio, abrasador qb! A ciência de hoje já não aquece nem arrefece, e é como a política, uma boa trampa. Graças a essa ciência este ano não vi sequer uma única abelha. Agora vamos ver quantos anos nos restam, a nós e às pipocas.

    Joanne Marie

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.