quarta-feira, 27 de março de 2013

PORTUGAL EM QUEDA



Meu artigo de opinião no "Público" de hoje:

Habituados como estamos às más notícias já nem reagimos quando surge mais uma. A notícia vinda das Nações Unidas devia ter provocado ondas de choque, mas deixou-nos indiferentes. No relatório que acaba de ser publicado, baseado em dados de 2012, Portugal caiu dois lugares no Índice de Desenvolvimento Humano, estando agora na modesta 43.ª posição, na cauda da primeira liga e quase a ser despromovido para a segunda. Essa queda soma-se às quedas dos anos anteriores: no relatório de 2011 tínhamos caído um lugar e no de 2010 tínhamos caído seis lugares. Já basta de tanto cair!

O referido índice classifica os países com base não apenas na riqueza, medida pelo PIB, mas também na saúde, medida pela esperança média de vida, e na educação, medida pelo número de anos na escola. Se o PIB português está dolorosamente a cair (segundo os cálculos das Nações Unidas, está a descer desde 2007, estando hoje abaixo do valor de 2000), o progresso na longevidade é apenas ligeiro (actualmente a esperança média de vida é de 79,7 anos) enquanto na escolaridade há estagnação (nuns confrangedores 7,7 anos de escolaridade média na população adulta). No global, e devido ao declínio económico, o nosso índice está desde o início desta década praticamente imóvel após décadas de crescimento. E, em contraste connosco, a maior parte dos países estão a desenvolver-se, alguns ultrapassando-nos. O relatório chama precisamente a atenção para a acentuada subida de numerosos países, principalmente do hemisfério sul. Em todo o mundo, os “campeões” da descida, em valor absoluto, são a Grécia e a Líbia, com Portugal logo a seguir, com quedas semelhantes às de Chipre, Barbados, Zimbabwe e Madagáscar. Repito para que conste: à escala planetária, em 186 países há apenas sete nações a descer e a portuguesa é uma delas.

Quem são os responsáveis? A principal culpa é, obviamente, dos maus governos que temos tido. Os professores Daron Acemoglu e James Robinson, do MIT e de Harvard respectivamente, no seu livro “Porque Falham as Nações” (Temas e Debates, 2013) informam-nos, com abundantes e eloquentes exemplos, que a falta de prosperidade dos países não tem a ver nem com a geografia nem com a cultura, mas sim com o funcionamento das instituições políticas. Os nossos “anos perdidos” no passado recente não eram uma fatalidade, atribuível à nossa situação no mundo ou à nossa particular tradição, mas sim uma consequência dos nossos erros políticos e económicos. Acrescem, claro, os erros alheios, pois a Europa não está bem: vão longe as expectativas de crescimento da Estratégia de Lisboa no ano 2000.

Os governos que elegemos nos últimos anos têm rostos. Independentemente das responsabilidades que não são poucas dos governos anteriores (António Guterres já assumiu uma quota parte), elas são de José Sócrates, que governou de 2005 a 2011, e de Pedro Passos Coelho, que governa desde 2011. O primeiro – os números não enganam – governou mal e o segundo – os números voltam a não enganar - está a governar mal. Não interessam nesta altura a não ser ao próprio as justificações de Sócrates em penosas prédicas televisivas. Ele já foi afastado por eleições de um modo claro. Uma vez que o governo anterior já foi mudado, resta-nos mudar o actual governo. As próximas eleições autárquicas vão ter uma leitura política nacional, ao revelar nas urnas a grande angústia das pessoas. E, como Passos Coelho já afirmou querer que se “lixem as eleições”, será provavelmente feita a sua vontade nas legislativas de 2015, que ele com grande antecedência já vê perdidas.

Poderá Passos Coelho fazer alguma coisa para evitar a sua queda, que decorre da queda do país? Sim, pode ainda mudar alguns dos seus ministros e secretários de estado. Não podendo alterar a troika externa, que nos manieta a todos, pode mexer nessa troika interna que o assessora, formada pelo inefável Miguel Relvas, pelo desacreditado Vítor Gaspar e pelo desorientado Carlos Moedas. Sendo Passos Coelho político desde que nasceu deveria saber que está a ser arrastado para  mais fundo pelos seus colaboradores mais próximos. Neste momento, os seus eleitores não estão com ele, o seu partido dificilmente está com ele (é público e notório que os “barões” não estão, multiplicando-se em comentários televisivos) e o seu parceiro de coligação só finge que está com ele (Paulo Portas, matreiro, deixa que os outros digam o que ele pensa).

E a oposição? Que diz António José Seguro? Se não há confiança no governo, menos há na oposição. O líder da oposição vê o país em queda, vê o governo em queda e nada mais lhe ocorre do que esperar que um e outro caiam mais. Não oferece solução nenhuma. Eleições agora para quê? Não esqueçamos, como mostram os dados das Nações Unidas, que a queda do país não é de hoje e que o maior partido da oposição é co-responsável por ela.

12 comentários:

  1. MUITO OPORTUNO.

    Cometei-o no post anterior.

    abraço

    akuettner

    ResponderEliminar
  2. E mudamos para quem?
    Como? De que modo? Por que meios?
    Se a nossa democracia é como é, e produziu o que produziu?
    Que valemos nós, os votantes, e para que servimos/temos servido?
    Como encontrar quem nos represente, e nos respeite?
    Eis o (meu) drama.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. és mais egotista que este fiolhais no jornal do incontinente

      mas tirando tu ó batista esta gente escreve toda crónica no púbico e queres fazer-lhes con corrência

      chiça que ego

      ó fiolhais o miguel mota morreu e herdaste o lugar?

      ou é o lugar cativo do tipo da gradiva?

      por falar nisso o velhote inda está vivo?

      o jorge nuno é que é cunhado dele né?

      comé que vai a matemática dos jogos dele?

      Eliminar
    2. Ó da primazia

      O que tu sabes sobre mim. Quase me sinto grato!
      Porque não destapas a careta?
      Tens medo?
      Do ridículo?
      Cuida-te, que se mordes a língua morres envenenado.
      Talvez isto não seja sítio para ti.
      Procura os da tua igualha, vais ver que não (te) falta canalha.
      Adeus.

      Eliminar
    3. então esta não apagas nem prometes apagar?

      o que sei sobre ti está em actualização constante

      e é desinteressante

      também não tens aí as fuças pois não?

      não como profes estamos habituados né?

      iste nã é sítio

      fizeste adeus com as mãos ou com um dedo? nã te tou a ver bem

      há nevoeiro acho

      tu de certezinha do ridículo nã tens medo nenhum

      nem reparas né?

      beijinhes

      Eliminar
  3. Eis os verdadeiro drama: não há em quem confiar. Nem Governo, nem oposição, ninguém. Não há pior descrença. A escuridão é de breu e faz gatinhar todo um Povo, que sem a mínima luz que seja farol anda à deriva. É demais! Até quando? Até que surja alguém que saiba galvanizar a Nação, despertando energias adormrcidas. Mas está a ser difícil. Entretanto, sem rumo estamos cada dia pior...

    ResponderEliminar
  4. Que uma coisa, uma coisa! E, que outra: doutra.

    Haveria quantas, entre tanta?! Bem, sabem-na da saudade.

    Eis, que vos nem lamente; elaborai.

    Conquistara vossa memória; fora ontem à provê-la.

    ResponderEliminar
  5. QUERO VER SE HOJE NÃO VEJO TELEVISAO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  6. Para começar, revoguem o AO90 que é uma fonte de cretinização. E quanto mais cretinas, menos as pessoas são capazes de pensamento e acção. E depois arregacem as mangas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah não isto não se descretiniza pá, tal como não se desnazifica ou se desbaifica.
      Esta cousa chamada fio olhais diz que o país caiu?
      Mas caiu dentro do quê?
      Duma singularidade quântica?
      Acho que foi uma queda que ele teve e o traumatismo anda a afectar-lhe a razão, ou isso ou está a soldo de alguma máfia.
      Tendo em conta a crónica no público, que tem de tudo, até das velhas máfias salazaristas, acho que deve ser uma das que o tio Belmiro dá uns trocos pelos bons serviços prestados.

      Eliminar
  7. Um texto eminentemente político, de grande profundidade. Subscrevo-o integralmente. Que futuro nos espera?

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.