quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Questões de moral

No Dia Mundial da Filosofia, uma nota dedicada a Joel Costa que fez chegar muitas "conversas" que o campo da moral suscita ao mais comum cidadão. 

A moral, como campo teorético que sustenta a formação de juízos e conduz a acção, requer constante interrogação, dissertação e síntese.

Este trabalho infinito, parecendo trivial, não é para qualquer um, pelo menos na extensão e profundidade que certos temas ou casos requerem.

As pessoas, em geral, apanham aqui e ali este ou aquele indício de ideia, todos juntos formam a sua opinião, a qual, ainda que num momento muito afirmativa, tende a esquecer-se ou se descarta-se… a vida impõe-se e é preciso ir caminhando…

Há, naturalmente, os académicos que escavam e consolidam a reflexão, mas pouco dela passa das revistas, livros e encontros especializados para o quotidiano, onde se esboça e onde é preciso que ganhe forma.

E há quem, com mestria e discernimento, faça a ponte entre esses dois mundos. Aqui, refiro-me muito concretamente a uma pessoa: Joel Costa, que, como se saberá, “escreve e apresenta” um programa na rádio pública (Antena 2) intitulado Questões de moral.

Esse programa chega ao fim e com ele chega ao fim a difusão dum raciocínio seguro, revelador duma inteligência de excepção, dum trabalho de investigação e de preparação imenso... transformado em prosa leve num tom belíssimo, envolta em fina ironia. E sem moralizar. Fica ao ouvinte a tarefa de traçar o seu pensamento.

Pode o leitor aceder aqui a mais de sessenta programas disponíveis.

1 comentário:

  1. Do panteão




    Um sim! É de margem critério.
    Séria em delícia certeza,
    de ser o mais terno mistério:
    letícia de serena firmeza.

    Que por terno o ser crinça,
    sapiência é sede e luz mestra!
    D'esta a esperança vos alcança
    de clareza em lança e balestra.

    Vos sois, dígnos acertos;
    relatos, actos e aspetos
    e, a magna virtude nem cansa,

    densa, consistira erguida
    é voz íntegra a terra garrida
    dos autos, quão d'alta mansa.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.