terça-feira, 31 de julho de 2012

"A mais linda história de um amor universitário"

Se o leitor não ouviu o mais recente programa Questões de moral, que passa na Antena 2 da rádio e é "escrito e apresentado" por Joel Costa, talvez tenha interesse em ouvi-lo aqui. É sobre a longa relação intelectual e amorosa entre uma aluna judia que se chamava Hannah Arendt e um professor simpatizante da ideologia nazi que se chamava Martin Heidegger.

Começa assim esse programa:

Em 1924 uma judia alemã de nome Hannah Arendt matriculou-se na universidade de Marburg. Na cadeira de filosofia dava as suas aulas o carismático e já relativamente famoso professor Martin Heidegger. Heidegger tinha 35 anos e estava então a acabar a obra mestra que o projectaria para os mais altos cumes da filosofia do século XX... "Ser e Tempo", a publicar em 1927. Era um homem casado e tinha dois filhos pequenos, além de casado era um homem muito sério, austero, rígido, seguia princípios católicos, filho de camponeses e dedicado ao trabalho científico mais do que a tudo o resto (...). Hannah Arendt tinha 18 anos. Martin Heidegger era o professor mais popular de Marburg, dizem que as aulas dele eram hipnotizantes, que o pensamento dele era espantosamente inovador (...).

3 comentários:

  1. O amor entre os humanos
    é mais forte do que a raça,
    cujas razões ultrapassa
    com seus laços soberanos!

    JCN

    ResponderEliminar
  2. Ouvi o programa na rádio. Excelente como são todos do Joel Costa. Dei por mim a pensar como é necessário uma auto disciplina rigorosa e uma auto censura exigente, principalmente em momentos de crise como este, para não embarcarmos em promessas mais ou menos mirabolantes. Aconteceu aos melhores! Aconteceu a Heidegger. Pode facilmente acontecer a qualquer de nós.

    ResponderEliminar
  3. De mais belo nada existe
    que uma amorosa paixão
    que em meu juízo consiste
    numa mútua... doação!

    JCN

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.