terça-feira, 31 de janeiro de 2012

DE VOLTA À LUA?


Destaque para a coluna What's New do físico Robert Park:

"LUNACY: BACK TO THE APOLLO MOON RACE?

Newt Gingrich, the other top contender of the US Presidential election, wants to construct a permanent human base on the Moon before China does. In fact, Gingrich says he would like to see six or seven lunar launches every week. Doing what? It's been 40 years sincea human traveled beyond low Earth orbit. Since then, space has become an essential element of the fastest growing segment of our economy: Space communications, weather observations, remote viewing, global positioning, climate monitoring, exploration of the solar system, the discovery of exoplanets, and global climate change studies, are all robotic. Nothing of significance has been learned from human spaceflight.

Apollo itself was a political mission. The space shuttle was terminated and the ISS, which produced nothing of value, now belongs to an international consortium. For an American astronaut to visit the ISS, a ticket on a Russian rocket would have to be purchased. We already have a word for those who clamor to send Americans back to the moon: "lunatics." It's a popular idea in Florida, which lost a lot of space jobs. Mitt Romney warns that the Gingrich plan would be "an enormous expense." It's worse than that; it's insane. Gingrich says his Moon base would be "90% private sector." How do you persuade the private sector to get involved in something as useless as a Moon base? Gingrich says he will offer incentives to the private sector in the form of "prizes" for meeting specific technical goals. Is a prize cheaper than a contract?"

Robert Park

9 comentários:

  1. Pessoas, pessoas... tanto cérebro, tanta sociedade complexa, tanto conhecimento e ainda agem como gatos no cio, a marcarem qualquer território possível. Notícias como esta são a melhor demonstração do quanto somos na realidade parte da Natureza, seres vivos estranhos, com os mesmos instintos básicos apenas disfarçados por uma crescente capa de complexidade...

    ResponderEliminar
  2. Um exemplo da tipica miopia economicista que tiraniza com mao de ferro o actual pensamento politico e cientifico Ocidental. Tragico.
    "E muito caro ir a Lua e nao serviu de nada." pobre ignorante.
    A corrida espacial a Lua gerou milhares de novas tecnologias que actualmente sao aplicadas no nosso dia-a-dia. Desde novos materiais e capacidade computacional ate seguranca alimentar.
    E de um provincianismo e pobreza intelectual extrema este texto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Lowlander,
      Este seu comentário de "pobre ignorante" está muito perto de chamar também ignorante a alguém como R. Feynman (se é que o não chama?), senão acredita, leia por favor as conclusões dele a propósito do acidente do vaivém em "Nem Sempre a Brincar Sr. Feynman" e os deveres que ele aponta à NASA de honestidade, franqueza e informação para com os cidadãos.

      Por vezes à honestidade, franqueza e informação para com os cidadãos costuma-se chamar, erradamente, de ignorância dos outros.

      Eliminar
    2. "Nothing of significance has been learned from human spaceflight."

      Onde e que esta a honestidade, franqueza ou informacao? Ou sequer a mera adesao a realidade quotidiana?

      "Este meu comentario" nao esta nem perto nem longe de nada. Limita-se a comentar o que esta escrito no texto e nada mais.
      Sugiro que em vez de se concentrar em nomes e comparacoes pueris de carreiras, se concentre antes na mensagem substantiva to texto aqui publicado e compare as assercoes ali feitas com avancos produzidos e patenteados pelo trabalho da NASA nao so no ambito da corrida a Lua mas de todo o programa de voos espaciais tripulados.
      Nao estamos aqui a tratar de teorias de conspiracao ou segredos de Estado mas sim de factos historicos recordados. Esta na porcaria dos livros de Historia e agora e de acesso livre na Internet em multiplos sites sendo a Wikipedia apenas o mais celebre deles todos.

      Em resumo: guarde a viola e os argumentos de autoridade no saco s.f.f..

      Eliminar
    3. THE MEANING OF IT ALL
      by Richard P. Feynman

      "Incidentally, people ask me, why go to the moon? Because it's a great adventure in
      science. Incidentally, it also develops technology. You have to make all these instruments
      to go to the moon—rockets, and so on—and it's very important to develop technology.
      Also it makes scientists happy, and if scientists are happy maybe they'll work on
      something else good for warfare. Another possibility is a direct military use of space. I
      don't know how, nobody knows how, but there may turn out to be a use. Anyway, it's
      possible that if we keep on developing the military aspects of long-range flying to the
      moon that we'll prevent the Russians from making some military use that we can't figure
      out yet. Also there are indirect military advantages. That is, if you build bigger rockets,
      then you can use them more directly by going directly from here to some other part of the
      earth instead of having to go to the moon. Another good reason is a propaganda reason.
      We've lost some face in front of the world by letting the other guys get ahead in
      technology. It's good to be able to try to get that face back. None of these reasons alone is
      worthwhile and can explain our going to the moon. I believe, however, that if you put
      them all together, plus all the other reasons which I can't think of, it's worth it.

      Well, I gotcha."

      Eliminar
    4. Cinismo nihilista e desonesto.
      Ja agora aplicavel a fisica quantica, aeronautica, exploracao maritima ou ciencias biomedicas.

      Resultado: paralisacao primeiro intelectual, depois politica e por fim economica. Um autentico triunfo Pirrico.

      Excelente texto para ilustrar o paradigma intelectual em que o Ocidente encalhou nos ultimos 30 anos causa ultima, a meu ver da sua decadencia politica e economica.
      Pouco me interessa quem escreveu, nem que tivesse sido Einstein ou Darwin, e uma tratado de menoridade intelectual.

      Va la vender essas essa "franqueza, honestidade e informacao" aos Chineses, Indianos e Brasileiros. E capaz de trazer de volta 1 milhao de euros... mas so se para la partir com 2 milhoes.

      Eliminar
  3. Há quem pense que a liberdade - freedom (bolsa de valores) - vai para o espaço com blefes desta natureza.

    ResponderEliminar
  4. Sejamos realistas! Ir à Lua é como fazer uma guerra: foram as guerras que fizeram avançar as tecnologias e, de um modo geral, a Ciência e o Conhecimento. No passado, como no presente. Veja-se o que se passou com o nuclear. Diria que o mesmo aconteceu com a ida à Lua. Mas o problema não é esse. O problema é saber se o mesmo desenvolvimento da Ciência e do Conhecimento não teria acontecido sem guerras e sem idas à Lua. A favor da humanidade em geral, está claro! Aliás, faz algum sentido gastarem-se triliões (mais de 4 na guerra do Iraque!) quando cerca de metade da humanidade vive no limiar da pobreza, morrendo diariamente milhares de crianças de doenças e de fome, com indizíveis sofrimentos para as mães que as geraram e as amamentaram? Que humanidade queremos?! Uma humanidade caminhando para a igualdade de direitos, deveres e de oportunidades - sem nunca a atingir claro, porque somos todos diferentes nas capacidades e no trabalho, merecendo cada um ganhar conforme o seu desempenho... - ou uma sociedade injusta em que uns poucos (1% da população norte-americana possui 40% da riqueza do país!) têm tudo e a maior parte tem pouco, quase nada ou... nada?!

    ResponderEliminar
  5. Sejamos realistas?
    Voce equivale a corrida ao espaco a uma intervencao militar nao sancionada pelas Nacoes Unidas e pede realismo aos outros?
    Irreal e eu ter de soletrar isto:
    Ir a Lua nao e como uma guerra.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.