terça-feira, 28 de junho de 2011

"IN MEMORIAM" DE ÁLVARO DA SILVEIRA


“Já que mais não mereceu / minha estrela, / só a tristeza conheço, / pois que para mim nasceu / e eu para ela” (Luís de Camões, 1524-1580).

Numa altura em que mais necessárias são as palavras expressivas como um dom que Deus nos possa ou não ter concedido, mais elas me falecem para descrever e mitigar o desgosto que me trouxe o falecimento de alguém que em vida me marcou pelo seu valioso contributo para a dignificação de uma profissão de que se não fez mercenário com aulas vendidas a metro e pagas ao minuto. Tive a honra de conhecer o Dr. Álvaro da Silveira (poucas vezes, a norma cortês de se tratar o licenciado por doutor teve tamanho e honroso cabimento), ilustre e competente professor do “papão” da Matemática, aquando da minha chegada a Coimbra, em 1975, onde fui colocado no então Liceu D. João III, que, nesses tempos revolucionários, crismaram de Escola Secundária de José Falcão.

A sua estatura meã - ele não precisava da imponência de um físico de atleta para se impor aos alunos - era um dos seus traços marcantes numa altura em que disciplina se podia comparar a folhas outonais caídas no chão e varridas por diligentes serviços camarários. Não poucas vezes, servia-se dos intervalos entre as aulas para desfazer dúvidas dos alunos mais atrasados na matéria, recusando fazê-lo, quantas vezes com grande sacrifício parental, em explicações pagas a peso de ouro, na crença, então justificada, de que os diplomas escolares eram um "abre-te Sésamo" para o mundo de um trabalho melhor remunerado.

Uma sociedade madrasta para uns e madrinha para outros nunca teve em devida conta um passado de sã camaradagem docente e prestação de bons serviços como reitor do Liceu D. Duarte. Pelo contrário, foi vítima da ingratidão de antigos colegas que lhe viraram as costas com a amargura que isso lhe pesou nos seus frágeis ombros que os anos começavam a encurvar assim como as artroses dos joelhos a dificultar a marcha.

Álvaro da Silveira (por vezes tratado, com carinho, pelos colegas por Silveirinha) foi uma das primeiras vitimas de um Estatuto da Carreira Docente que enjeitou os professores mais habilitados e pôs ao colo os professores de menor estudos. Por uma questão de escassos dias, constantes do bilhete de identidade, não teve o mais que merecido acesso ao escalão máximo da carreira docente (10.º escalão), quedando-se pelo 9.º escalão, escalão máximo para antigos professores com o curso das ex-Escolas do Magistério Primário em espúria companhia com uma sua vizinha com esta mesma habilitação. Os desgostos podem não matar, mas lá que moem, moem.

A sua aposentadoria aos 70 anos de idade (período máximo concedido por lei) foi um verdadeiro calvário para uma cruz de injustiça que só terminou com o seu falecimento, cuja notícia acaba de me apanhar de chofre e em desgostosa surpresa. No lugar dos justos, merecido em vida, pouco mais me resta do que dizer-lhe: Repouse na paz que a vida lhe não concedeu, meu querido e saudoso Amigo.

3 comentários:

  1. Que linda elegia para um ídolo que não soçobrou à onda de destruição que, de lés a lés, varreu o país dos seus mais autênticos valores! Ainda houve, pelo visto, quem permanecesse de pé, porque os não tinha de barro! JCN

    ResponderEliminar
  2. Rosário Mateiro (professora de Matemática)28 de junho de 2011 às 18:18

    Tive a Sorte de ter feito estágio com o Dr.Álvaro Silveira, pessoa que me «facultou> toda a informação indispensável, para que ao longo da minha profissão, nunca deixasse de ter presente as suas orientações!
    A minha homenagem ao Grande Mestre!

    ResponderEliminar
  3. Caro Professor JCN: Que prazer me trouxeram as suas palavras em recordação de tempos de desvario e de pessoas que tentaram destruir e substituir os melhores valores humanos, a gratidão, o respeito, a verticalidade, por um nauseabundo oportunismo que as tornou personagens da crítica de Sophia de Mello Breyne: “Depois de 25 de Abril, tenho-me sentido tentada a escrever uma peça que se chamaria ‘Auto dos Oportunistas’, mas que é impossível de escrever porque há sempre mais um acto”.

    Fica, outrossim, como recordação das qualidades humanas deste insigne Mestre o testemunho de uma sua antiga estagiária, hoje professora de Matemática, Rosário Mateiro. Seja dito, em boa e justa verdade, que muitas pessoas de uma esquerda democrática sempre o tiveram numa conta que muito o honrou e a si próprias honrou.

    Álvaro da Silveira foi sempre ele, de corpo inteiro e de nobres sentimentos de alma, antes e depois de um período triste da nossa história contemporânea em que, ainda segundo Sophia, em nome do anti-fascismo se criou um novo fascismo.

    Bem hajam ambos.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.