quinta-feira, 30 de junho de 2011

1º Atelier de Escrita em Comunicação de Ciência

Os textos que foram produzidos durante e na sequência do atelier que organizei no passado dia 17 de Junho de 2011, na Casa da Escrita em Coimbra, estão a ser reunidos neste blogue dedicado ao evento.

Num dos exercícios, e após uma mui interessante conversa com o Professor Rui Ferreira Marques, deixei o bolígrafo romper o estilo usual. O resultado é na forma de poema que a seguir se apresentam e que já foi validado (cientificamente) pelo já citado Doutor Rui Marques.

átomo ao espelho









Vejo-te.
Porque os meus olhos são sensíveis à luz que emites,
Ao fotão que lançaste ao vazio que nos separa.
Não consigo tocar-te.
Não há força que o permita!
Contudo, és exclusão permitida!
Algo expresso no Princípio de Pauli o descreve.
Disse-mo um Físico, de forma breve.
Impressiono, em vão, a imagem que tenho de ti,
Um reflexo fotónico na interface feita de átomos, talvez de prata.
Simetricamente no espaço e no tempo mimicas o que faço.
A minha vontade e a tua, coincidem
Numa incerteza intangível,
Numa vertigem aniquilável.
És a minha antimatéria visível?
És a minha sensação electrostática repulsiva?
És no instante em que te provoco o meu spin oposto?
Ou sou eu a tua matéria no reverso do universo?
És deste universo?
Vejo-te. Mas se te toco, aniquilo-me!
Quem verá, depois do nosso nada, a nossa luz?

António Piedade

3 comentários:

  1. Que falta faz o violino!... JCN

    ResponderEliminar
  2. Que linda prosa dava este poema!... JCN

    ResponderEliminar
  3. De bom tamanho já reconhecido como poema est!

    Pois ainda há quem não faça dinstinção entre louro e ouro, sendo que propriamente, uma farda possa as duas coisas conter.

    Aliás, bem haja que digam-se, intrínsecas.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.