sábado, 25 de dezembro de 2010

Não procures nem creias: tudo é oculto


Natal

Nasce um Deus. Outros morrem. A Verdade
Nem veio, nem se foi: o Erro mudou.
Temos agora uma outra Eternidade,
E era sempre melhor o que passou.
.
Cega, a Ciência a inútil gleba lavra.
Louca, a Fé vive o sonho do seu culto.
Um novo deus é só uma palavra.


Este poema de Fernando Pessoa foi escolhido por Eugénio de Andrade para constar na sua Antologia Pessoal de Poesia Portuguesa. O poema inocentemente designado Natal que termina com as desarmantes palavras tantas vezes citadas: Não procures nem creias: tudo é oculto.

6 comentários:

  1. Se não fosse oculto, caro Pessoa, não se procurava! JCN

    ResponderEliminar
  2. NATAL BURGUÊS

    Sem o menor espírito cristão,
    a festa do Natal da burguesia
    pouco mais é do que a satisfação
    de um ritual de pura cortesia.

    Consoante a respectiva condição,
    ou seja, social categoria,
    juntam-se à mesa para a refeição
    do bacalhau que é próprio desse dia.

    Em lugar do presépio popular,
    da tradição cristã mais genuína,
    a dominar a sala de jantar,

    arma-se ao canto um ramo de pinheiro
    com toques de barata purpurina
    dando a aparência de ouro verdadeiro!

    JOÃO DE CASTRO NUNES

    ResponderEliminar
  3. José Batista da Ascenção25 de dezembro de 2010 às 22:46

    "Não procures nem creias"..., não é?

    ResponderEliminar
  4. "Toda a vez que aparece uma obra-prima, faz-se uma distribuição de Deus. A obra-prima é uma espécie de milagre."
    V. Hugo

    Os versos-milagre são aqueles que entram na zona onde os olhos tomam banho no rio. Os outros versos, são aqueles que se compreendem e comentam com palavras. São completamente diferentes. Os primeiros acrescentam mundo, os outros vivem e morrem como seres do mundo. São todos importantes, mas os que me ajudam a sobreviver (e sobreviver é-me muito difícil) são apenas os milagres.
    HR

    ResponderEliminar
  5. Gostei desta escolha de Eugénio de Andrade porque gosto muito de Pessoa e a dúvida ou o oculto é sempre aliciante!
    Boas Festas!

    ResponderEliminar
  6. Terá sido precisamente o gosto pelo "oculto" que nos deu inveterados hábitos de trogloditas. Pessoa lá sabia, por experiência pessoal: sempre a fugir de si mesmo e a trocar constantemente de nome. Sempre a "ocultar-se"! JCN

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.