segunda-feira, 1 de novembro de 2010

José Francisco Correia da Serra (1751-1823)


Informação recebida da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra relativa à exposição "Membros portugueses da Royal Society" a inaugurar a 15 de Novembro na Biblioteca Joanina:

José Francisco Correia da Serra (1751-1823)

Naturalista e diplomata. Foi eleito membro da Royal Society em 3 de Março de 1796.

Figura de relevo do Iluminismo português, nasceu em Serpa e estudou em Roma onde se tornou presbítero. De volta ao país, fundou, com o Duque de Lafões, a Academia Real das Ciências de Lisboa e desempenhou o cargo de Secretário da instituição nos seus primeiros anos de actividade, prestando um notável contributo para o desenvolvimento e promoção da investigação científica. Com regressos intermitentes a Portugal, entre 1786 e 1821 esteve emigrado em França, Inglaterra e Estados Unidos, onde contactou com alguns dos mais famosos cientistas da sua época, como por exemplo o geógrafo e naturalista alemão von Humboldt (1769-1859), o botânico suíço Candolle (1778-1841) ou o médico e botânico francês Jussieu (1748-1836). Manteve sempre ligações com o seu país natal, correspondendo-se, entre outros, com Avelar Brotero (1744-1828). Nos Estados Unidos da América desempenhou funções diplomáticas em Washington, conviveu com o presidente Thomas Jefferson (1743-1826), de quem se tornou amigo, e cursou na American Philosophical Society em Filadélfia. Embora estivesse também interessado em Zoologia e Geologia, a sua área de investigação mais fecunda foi a Botânica. Membro de várias academias e sociedades científicas, publicou nas mais prestigiadas publicações europeias e americanas do seu tempo, em especial sobre a classificação sistemática das espécies vegetais, em que introduziu o conceito de simetria, e desenvolveu estudos em Carpologia, um dos ramos da botânica então criados.

Em 1796 e 1799 contribuiu nas Philosóphical Transactions com duas comunicações, uma sobre os órgãos reprodutores das algas a outra sobre vegetação submarina na Costa Este da Inglaterra, concluindo assim a colaboração dos portugueses do século XVIII nessa publicação da RSL.

Principais trabalhos publicados:

- On the Fructification of the submersed algae. Philosophical Transactions. London. 86 (1796) 494-505.
- On two genera of plants belonging to the natural family of the Aurantia. Transactions of the Linnean Society of London. 5 (1799) 218-226.
- On a submarine Forest, on the East Coast of England. Philosophical Transactions. London. 89 (1799) 145-156.
- On the Doryanthes, a new Genus of Plants from New Holland next akin to the Agave. Transactions of the Linnean Society of London. 6 (1800) p. 211-213.
- De l’état des sciences et des lettres parmi les Portugais pendant la seconde moitié du siècle dernier. Archives Littéraires de l’Europe. Paris. 1 (1804) 63-77, 269-290.
- Observations sur la Famille des Oranges et sur les Limites qui la Circonscrivent.. Annales du Muséum d´Histoire Naturelle. Paris. 6 (1805) 376-387.
- Observations Carpologiques. Annales du Muséum d´Histoire Naturelle. Paris. 8 (1806) 59-68.
e Suite des Observations Carpologiques, id., 389-400.
- Vues Carpologiques. Annales du Muséum d´Histoire Naturelle. Paris. 9 (1807) 283-293, e Suite des Observations Carpologiques, id., 283-288.
- Vues Carpologiques, Article II. Annales du Muséum d´Histoire Naturelle. Paris. 10 (1807) 151-156 e Suite des Observations Carpologiques, id., 157-162.
- Sur la germination du Nélumbo. Annales du Muséum d´Histoire Naturelle. Paris. 14 (1809) 74-81.
- Sur la valeur du Périsperme considéré comme caractère d’affinité des plantes. Annales du Muséum d´Histoire Naturelle. Paris. 118 (1811).
- General consideration upon the past and future state of Europe. American Review of History and Politics. Philadelphia. 4 (1812) 354-366.
- Reduction of all genera of plants contained in the Catalogus plantarum Americae Septentrionalis, of the late Dr. Muhlenberg, to the natural families of Mr. Jussieu´s system : for the use of the gentlemen who attended the course of elementary and philosophical botany in Philadelphia in 1815. Philadelphia : [American Philosophical Society?], 1815.
- Observations and Conjectures on the Formation and Nature of the Soil of Kentuky. Philosophical Transactions of the American Philosophical Society. Philadelphia. 1 (1818) 174-180.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.