domingo, 28 de fevereiro de 2010

EINSTEIN E A ARTE 3



Muito se tem discutido sobre a relação entre a teoria da relatividade restrita de Einstein, de 1905, e o cubismo, inaugurado com o quadro "Les Demoiselles d'Avignon" de Picasso. Se influência houve terá sido indirecta.

Mas uma influência directa das ideias relativistas numa obra artística ocorreu decerto no quadro "A persistência da memória" de Salvador Dali, o surrealista que se interessou muito por temas científicos. Nesse quadro, de 1931, aparecem relógios em fusão, sugerindo a deformação que a gravidade causa no tempo. O ser adormecido no meio será o próprio Dali a dormir e, claro, a sonhar. Numa recreação do mesmo quadro feita muito mais tarde (1952-1954), "A desintegração da persistência da memória", surge uma paisagem aquática, com o fundo coberto de numerosos pequenos blocos. Este quadro sugere a fusão da teoria da relatividade com a teoria quântica, portanto uma representação artística de uma teoria unificada.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.