quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Deus não se queixa

Os actos de Deus são realmente muito convenientes para desresponsabilizar os homens, porque Deus em geral não se queixa. Uma reportagem do programa Biosfera, já com dois anos, em que se faz uma antevisão bastante detalhada da tragédia na Madeira.

4 comentários:

  1. Caro David,
    As melhores ribeiras do mundo e toda a segurança não teriam evitado uma queda de água tão brutal que não escolheu sequer os seus cursos normais para chegar ao mar. No sec xix o dilúvio que se abateu sobre a Madeira matou muitas mais pessoas e estes problemas não se colocavam, tal como se colocam hoje. Certamente que falta maior e melhor intervenção humana, mas daí a apresentar teses como se de verdades consumadas se tratassem e expôr as coisas como se existisse uma qualquer teoria da conspiração parece-me que tem tanto de religioso como a crença cega em deus.

    ResponderEliminar
  2. A quem havia Deus (com maiúscula... por enquqanto) de se queixar?!... JCN

    ResponderEliminar
  3. Quando a Natureza, indomável e incontrolável, se abate sobre os homens e as coisas, de um modo geral, não há grandes coisas a fazer.
    A Natureza, quando se zanga, põe a nu a nossa pequenez. E nos tempos que correm, a grande Mãe parece querer zangar-se muita vez. Há que ser-se sábio e agir não a ofendendo ou não a menosprezando na sua infinita força.

    ResponderEliminar
  4. Evidentemente, a Mãe Natureza é poderosa. E evidentemente, o risco zero é impossivel mas aqui há claramente uma urbanização desordenada que ignora voluntáriamente algumas normas de construcção a ter em conta em zonas problemáticas. Tragédias acontecerão sempre, e com ou sem Deus, não as poderemos evitar. O que sim podemos fazer, apelando ao bom senso, é tentar minimizar as suas consequências!!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.