quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Recordar os Portugueses mortos na Primeira Grande Guerra


Novo post numa série sobre a 1ª República de António Mota de Aguiar:

Vai fazer no próximo dia 5 de Outubro 99 anos que foi implantada a 1ª República Portuguesa. Cerca de cinco anos depois deste acontecimento, Portugal entrava na 1ª Grande Guerra Mundial e, durante o ano de 1917, chegavam a França os primeiros contingentes portugueses, na sua maioria pessoas pobres, na flor da vida, arrancados da vida rural das suas terras natais.

Como testemunha esta carta:

“Mãe. Afinal fez bem vendendo a nossa cabrinha, se precisava de comer. Eu bem sei o que lhe devo como filho e não me zango. Mas tenho muita pena, isso tenho. E às vezes ponho-me a lembrar que quando aí for já ela não vem da horta, entrando em casa, para me comer à mão. A gente também ganha amizade aos animais. Mas não me zango, pois se era precisão…” [1]

Foi com muitos destes homens como soldados que foi organizado um exército ad hoc, feito num espaço de tempo de cerca de dez meses, para defrontar a maior potência militar europeia destes tempos, a Alemanha.

O texto a seguir informa-nos sobre a Batalha de La Lys de 9 de Abril de 1918, onde os portugueses enfrentaram os alemães:

“À l’Ouest, en mars de 1918, c’est-à-dire au moment où les conditions atmosphériques permettent d’engager de grandes opérations, le commandement allemand, grâce à l’armistice russe, dispose de cent quatre-ving-douze divisions d’infanterie – vingt de plus que les Franco-Anglais. Ludendorff (…) sait que «la lutte sera formidable» (…). À trois reprises, le 21 mars sur le front de Saint-Quentin, le 9 avril sur le front de la Lys, le 27 mai sur le front du chemin des Dames, les troupes allemandes, bien qu’elles ne possèdent pas de chars d’assaut, réussissent ces opérations de rupture du front que, depuis la fin de 1914, les belligérants, en France, avaient vainement cherché à réaliser. Elles obtiennent de grands succès …
”.[2]

Tinha razão o general Erich Ludendorff, chefe do Estado Maior do exército alemão, quando dizia que a luta ia ser formidável: os soldados portugueses sentiram-na bem na Batalha de La Lys.

De toda a parte chegam sinais de que a luta se intensifica:

“… Ao atravessar os campos as granadas caíam aos milhares! Alevantavam o chão todo! A terra fervia em cachão! (…) As aldeias ardiam como archotes alumiando a noite! (…) Lembrava o Inferno, a terra toda a arder!”
[3]

O texto do historiador francês acima referido dá-nos conta da fortaleza do exército alemão. Ainda por cima, no momento da batalha do 9 de Abril de 1918, as tropas portuguesas estavam enfraquecidas, resultante dos acontecimentos políticos ocorridos em Portugal em Dezembro de 1917:

“Mas, - coisa inevitável, - os nossos soldados, começam a revoltar-se. Sim, inevitável. Pois se de Portugal não mandam reforços e nos esquecem, e os altos comandos, sem a coragem de protestar por todas as formas contra esse desprezo, fazem todos os dias aos soldados promessas de descansos e licenças que nunca chegam, e exigem dalguns milhares de homens o doloroso esforço, que nos outros exércitos se distribui por centenas de milhares, que menos se poderá esperar? O desfalecimento, a exaustão, o desespero atingiram o auge nas nossas fileiras.” (…) “Às dez da manhã sabe-se já que os alemães, numa ofensiva de grande estilo, (…) romperam as nossas linhas e avançam. (…) Lançados ao acaso sobre as macas, os feridos de mais gravidade esperam a sua vez. Um cheiro pesado e morno a éter, sangue e entranhas violadas entontece e engulha. À beira deste ou daquele pingam nascentes de sangue. O chão é todo manchado pelo rio vermelho da vida que extravasa.”
[4]

Em poucas horas cerca de 7500 homens perderam a vida nesta batalha.

No próximo dia 5 de Outubro colocar-se-ão flores nas estátuas nacionais “aos mortos da Grande Guerra”, são as flores oficiais de homenagem do regime republicano a esses homens. Porém, em muitos países da Europa, o reconhecimento aos soldados mortos na grande guerra também vem das pequenas comunidades (embora o nosso caso não tenha comparação com o ocorrido nesses países). Por exemplo, em França, encontramos por toda a parte obeliscos, padrões e monumentos, [5] como, por exemplo, este pequeno padrão, algures numa minúscula aldeia francesa, à memória deste soldado:

“Souvenez-vous dans vos prières de // Bussat Eugène // mort pour la France // à vingt ans // 1916”.

Valeu a pena a vida dos 10.000 soldados da República mortos na Primeira Guerra Mundial? Já sabemos o que o poeta diz. O homem está vivo enquanto perdura na memória de alguém. Por isso trazemos aqui estes homens de volta, nem que seja por um dia, para que a nossa memória colectiva não os esqueça.

António Mota de Aguiar

REFERÊNCIAS:
[1] Jaime Cortesão, Memórias da Grande Guerra, Vol. I, p. 81, Portugália Editora, Lisboa, 1969
[2] Pierre Renouvin, L’Armistice de Rethondes, pp. 18-19, Gallimard, Paris, 1968
[3] Jaime Cortesão, Memórias da Grande Guerra, Vol. I, p. 225, Portugália Editora, Lisboa, 1969
[4 ] Jaime Cortesão, Memórias da Grande Guerra, Vol. I, pp. 218-221, Portugália Editora, Lisboa, 1969
[5] Sobre este assunto, ver: Sílvia Correia, A Memória da Guerra, pp.349-370, in Fernando Rosas e Maria Fernanda Rollo, História da Primeira República Portuguesa, Tinta da China, Lisboa, 2009.

8 comentários:

  1. Este artigo - que na altura me escapou - é meritório, mas induz algumas inexactidões profundas.
    Na Grande Guerra morreram de facto cerca de 10 mil soldados portugueses, mas a maioria morreu em África, nas campanhas de Moçambique e de Angola.
    Em França morreram 2300, e na batalha de La Lys morreram cerca de mil. Apenas uma fracção do indicado neste post. A maioria dos mortos foi alemã, como era normal na infantaria que atacava trincheiras sob fogo de metralhadora.
    Infelizmente, o esquecimento da gesta portuguesa nas colónias africanas faz parte do processo geral de esquecimento voluntário do nosso passado e, portanto, da nossa identidade...

    ResponderEliminar
  2. Não me parece que os números que o Pinto de Sá menciona estejam correctos. Eu tenho para mim que em França morreram 8000 soldados portugueses, mas a Wikipedia aponta 7.500, só em La Lys.
    Que quer dizer com "a maioria dos mortos foi alemã"?
    PG

    ResponderEliminar
  3. Eis uma fonte das "Baixas portuguesas nos diversos teatros de operações" (1)

    CEP mortos: 1992 ; feridos: 5354 ; desaparecidos: 199 ; incapazes 7380 ; prisioneiros: 7000 (233 falecidos no cativeiro, 6767 devolvidos pela Alemanha); Total 21825.
    (mais 5 mortos e 5 feridos no CAPI).

    (1)História da Primeira República, F. Rosas e M. Rollo, Tinta da China, por Aniceto Afonso, p.297

    Dos números acima é difícil estabelecer com precisão o número de soldados que morreram nesta batalha. Contudo, parece-me que estou mais perto da verdade que a expressão de Pinto de Sá de "inexactidões profundas".

    António Mota de Aguiar

    ResponderEliminar
  4. Pois eu o que encontro deveras estranho é um soldado cuja mãe teve de vender a cabra por necessitar de dinheiro - muito pobre, portanto - e que tinha ido à escola, sabia escrever.
    Mas é claro que podia alguém estar a escrever por ele. Talvez o mais natural.

    Parabéns a quem se lembrou desses mortos que são nossos. Mesmo que o número não exacto, existiram. Existem ainda. São os nossos mortos. Lembremo-los ou não.

    ResponderEliminar
  5. Diz AMA que está mais perto da verdade que a minha expressão de "inexactidões profundas". No entanto, o nº de CEP mortos que cita é de 1992, muito próximos dos 2300 que eu indicara (dos quais em La Lys terão sido apenas mil, repito). A (pequena) discrepância está em que somei os desaparecidos e parte dos mortos em cativeiro aos mortos, como é natural...!
    Ora 2300 mortos no total na frente europeia (dos quais cerca de apenas mil em La Lys) aponta para que o nº de 10000 seja uma "inexactidão profunda", ou não?
    Cumprimentos!

    ResponderEliminar
  6. Tenho um Tio com 98 anos de idade, e diz sempre que não chegou a conhecer o seu PAI em virtude de ter morrido na 1ª Guerra Mundial.

    ResponderEliminar
  7. A I Guerra Mundial foi decidida pelo ditador Afonso Costa com vista a defender o Ultramar Português
    Tantos milhares de mortos para, anos mais tarde, fazerem guerra para matarem tantos outros e entregarem o Ultramar?
    A Esquerda sempre a tratar os portugues como carne para canhão, seja na I Guerra Mundial seja na Independência do Ultramar

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.