domingo, 23 de agosto de 2009

ENTREVISTA DE DAWKINS AO "THE TIMES"


Uma entrevista do biólogo Richard Dawkins ao "The Times" de 22 de Agosto, que vem a propósito do lançamento a 10 de Setembro do seu próximo livro (The Greatest Show on Earth, Bantam Press, sai a 10 de Setembro) , pode ler-se aqui.

Excerto sobre a ignorância dos criacionistas:
"Is creationism, would he say, a form of stupidity? Does he find it annoying that there are so many stupid people in the world?

“I don’t think I would put it that way,” he says. “Well, I was going to say a lot of ignorant people, but that sounds abrasive too. Ignorant is just a factual statement. I’m ignorant about football and all sorts of things. And I don’t think you’d take it as an insult if I said you don’t seem to know anything about football. It’s actually just a factual statement; it means you don’t know anything about it. I know quite a lot about evolution and there are plenty of people out there who know nothing about evolution and who probably who would enjoy learning something about evolution. Perhaps they can teach me about football.” "

6 comentários:

  1. Todas as entradas em dicionário que acabei de ver para “ignorância” confirmam a afirmação de Richard Dawkins: “Ignorant is just a factual statement”.

    Ignorar significa “não ter conhecimento”, logo, não é nenhuma incompetência disfuncional, é um estado que pode ser alterado a qualquer momento precisamente pela introdução do conhecimento. E não nos iludamos, com o advento das novas tecnologias seremos sempre ignorantes em muitos assuntos - óbvio e inevitável.

    Curioso: em sentido popular, ignorar significa “estranhar, reparar em” (Dicionário Etimológico de Língua Portuguesa de José Pedro Machado: não é esta atitude uma espécie de pré-requisito para o conhecimento?

    Exceptuando a acepção de “partir para a ignorância” no sentido de “usar de violência ou grosseria para alcançar um objectivo” (in Dicionário de Língua Portuguesa Comtemporânea, Academia das Ciências de Lisboa), obviamente desprezível, é importante perdermos o medo das palavras e da realidade que estas consubstanciam, uma vez que a palavra articulada reflecte o pensamento articulado: é necessário ser ignorante para deixar de o ser, assim como é necessário errar para encontrar respostas mais profundas (evidentemente que não me refiro ao erro consciente que prejudica os outros).

    ResponderEliminar
  2. Nicolau de Cusa falava em "Douta Ignorância" que se deveria aplicar também aos zoólogos ou outros com alvará de inteligência.

    Sobre a nossa ignorância sobre a evolução, talvez nos ajude ler "A Caixa Negra de Darwin", do bioquímico Michael Behe.

    ResponderEliminar
  3. É possivel ser versado nos conhecimentos científicos( não ser "ignorante" portanto), e mesmo assim, negar a sua evidência ou veracidade, como parecem fazer os criacionistas, por lhes parecer contradizer toda a fundamentação da sua existência. Quanto a mim, nem "ignorantes", nem "estúpidos", mas sim, para usar a expressão que melhor se adequa, "narrow-minded".
    Devo dizer...na minha modesta opinião, e que me desculpem, mas tão "narrow-minded" quanto o próprio Dawkins...
    A fé, como saberão os cientistas que a detêm, não é incompatível com as teorias científicas, leis da física e da evolução. Mas a quem não foi dada essa "graça divina", é realmente difícil de compreender o que também é óbvio para os crentes. A fé não depende de conhecimentos(que eu saiba, ainda não se provou a existência de alguma entidade divina...), mas da capacidade de ver para além dos factos ( que naturalmente, são factos indiscutíveis!), mas que não provam a inexistência de Deus...

    ResponderEliminar
  4. Ignorancia é também ignorar que macro-evolução é impossivel de acordo com as mutação proteinicas e outros fatores, e mesmo assim criar um dogma coentifico (fé) e encinar como verdade comprovada pela ciência...Um delírio!

    ResponderEliminar
  5. Diga-se só de passagem, que a fé é algo que não pode ser encarada como um objecto de estudo cientifico, é logico que eu como catolico, logo criacionista, aceito os escritos biblicos da criação apenas como fabulas, como com tudo o resto que não temos conhecimento cientifico acerca de... tal guerra não existe pelo menos para mim.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.