terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Bacanal

Há noventa anos, em 1919, Manuel Bandeira publicou o seu segundo livro de poesia, a que deu o título Carnaval. Nesta obra, que teve, na altura, uma edição reduzidíssima, constam já, bem nítidos, os ingredientes do modernismo poético, muito naturalmente ligado às origens gregas e latinas da literatura.
No poema Bacanal, que abre o livro, celebra-se a liberdade (ou será a libertação?) de amarras racionais, sociais, artísticas... que todo o humano uma vez por outra ensaia…

Quero beber! cantar asneiras
No esto brutal das bebedeiras
Que tudo emborca e faz em caco...
Evoé Baco!

Lá se me parte a alma levada
No torvelim da mascarada.
A gargalhar em doudo assomo...
Evoé Momo!

Lacem-na toda, multicores
As serpentinas dos amores,
Cobras de lívidos venenos...
Evoé Vênus!

Se perguntarem: Que mais queres,
Além de versos e mulheres?...
- Vinhos!... o vinho que é meu fraco!...
Evoé Baco!

O alfanje rútilo da lua,
Por degolar a nuca nua
Que me alucina e que eu não domo!...
Evoé Momo!

A Lira etérea, a grande Lira!...
Por que eu extático desfira
Em seu louvor versos obscenos.
Evoé Vênus!


Imagem: Baco, de Caravaggio, 1598?

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.