quinta-feira, 27 de novembro de 2008

O REGRESSO DE "HYSTERIA"


Informação recebida da produtora Margarida Mendes Silva:

"HYSTERIA"

Projecto apoiado no âmbito do Programa de Apoio a Projectos Pontuais 2008 (Teatro) promovido pelo Ministério da Cultura e Direcção-Geral das Artes

Co-Produção Teatro Académico de Gil Vicente

Parceria Camaleão Associação Cultural


ESPECTÁCULOS DIAS 20, 21, 22, 27, 28 e 29 de Novembro

4, 5 e 6 de Dezembro

às 21h30, INSTITUTO PORTUGUÊS DA JUVENTUDE, COIMBRA

Informações e Reservas 91 604 32 48/ 96 860 89 29

Espectáculo para maiores de 16 anos


"Hysteria" é uma comédia cuja acção dramática se passa em Londres em Setembro de 1939, ano em que principia a II Guerra Mundial, coloca em cena Sigmund Freud doente com um cancro no palato (após ter escapado de Viena para fugir às perseguições nazis aos judeus — Freud tinha ascendência judia) e três outras personagens: Jessica, filha de uma antiga paciente de Freud, que o vem confrontar com o seu passado; Yahuda, o amigo e médico pessoal de Freud, judeu conservador que tenta impedir o velho professor de publicar a sua derradeira obra, "Moisés e o Monoteísmo", devido à heresia nela expressa; e Salvador Dali, o pintor catalão, que visita o seu ídolo e mestre (a visita de Dali a Freud é histórica).

Estas personagens, cada uma a seu modo, são fantasmas que assombram os últimos momentos da vida de Freud. {Na última cena entre Freud e Dali, o catalão diz: "Dali? Verdadeiro. Fez visita a usted. Há dois meses. E mirou a morte no rosto de Freud […]".} Porque FREUD ESTÁ A MORRER. {Mesmo no final da peça, quando Yahuda se prepara para se afastar do amigo, uma didascália diz: "E o rosto de Freud descomprime-se à medida que vai mergulhando num sono que será o último."}


Autor Terry Johnson Tradução João Paulo Moreira Encenação José Geraldo Elenco Fernando Taborda, Helena Faria, Ricardo Correia, Rui Damasceno . Produção Margarida Mendes Silva

Contacto: 239 781 462 TM 91 604 32 48 / 96 860 89 29

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.