terça-feira, 30 de setembro de 2008

Resposta a "Quem te viu já não te vê"

Carta ao Director publicada no "Público" de hoje a respeito deste artigo:

"Há pessoas em relação às quais não vale a pena fazer desmentidos, dado ser manifesto que abusam de insinuações e calúnias na esperança de assim chamarem a atenção para a sua própria pequenez. Não é esse, porém, o caso do Prof. Carlos Fiolhais, ilustre colaborador do PÚBLICO. Pelo contrário, o que escreve na sua coluna merece a justo título a atenção e o crédito dos leitores. Por isso mesmo, solicito-lhe, sr. director, que me permita desfazer, deste modo, o equívoco em que me parece incorrer o artigo do prof. Carlos Fiolhais de 26 de Setembro.

Escreve a dado passo o articulista: "Dizem que foi o Governo que mandou comprar os direitos do futebol. Não me admirava nada, pois, para distrair a crise, o povo sempre pode ver uns jogos. Também pouca gente se admirará que haja cuidada e atempada intervenção governamental no concurso do quinto canal generalista (...)."

Ora, ambas as afirmações são falsas. Nem o Governo mandou a RTP comprar fosse o que fosse, nem o Governo tem qualquer intervenção no concurso do 5.º canal generalista que entravasse a decisão de o lançar e a aprovação do respectivo regulamento."

Augusto Santos Silva
Ministro dos Assuntos Parlamentares

5 comentários:

  1. O Prof. Augusto Santos Silva, autor em tempos idos de contundentes crónicas no "Público" que muito apreciei, cumpre agora o seu papel de governante ao tentar desdizer o que por aí se diz. Se tivesse que comentar, citaria as palavras de Desidério Murcho publicadas por espantosa coincidência no mesmo número em que esta carta saiu:

    "Vivemos rodeados de meias verdades, que são as mais perigosas mentiras. Quase nada do que se vê na publicidade ou no discurso dos políticos é inteiramente mentira, mas também quase nada é rigorosamente verdade. E a mentira é tanto mais perigosa quando se alimenta deste lusco-fusco da verdade a meio-gás precisamente porque não pode ser claramente denunciada."

    Carlos Fiolhais

    ResponderEliminar
  2. Recorrendo a um aforismo conhecido, eu diria que Augusto Santos Silva se tem revelado como o tipo de pessoa a quem não se deve comprar um carro em segunda mão.

    ResponderEliminar
  3. Recordei-me, agora mesmo, destas palavras de António Aleixo:

    P`rá mentira ser segura
    e atingir profundidade
    tem que trazer à mistura
    qualquer coisa de verdade.

    ResponderEliminar
  4. Lá vi a cartita, no Público, do ministro Prof. (ou Prof. ministro?)Santos Silva.

    Ao associar o seu nome ao do Prof. Carlos Fiolhais, teve o mérito (valha-nos isso!) de exaltar, uma vez mais, a sua figura pública que não precisou de cargos políticos para atingir o prestígio e a popularidade que o tornam uma personagem de referência, aquém e além-fronteiras, no mundo da Ciência e sua divulgação.

    Mais uma vez, a "vox populi" se fez ouvir como sendo a "vox Dei": Há males que vêm por bem!

    ResponderEliminar
  5. Esse Ministro Augusto Silva desempenha muito bem o seu papel de fiscal do Governo. Pena é que tenha surgido no firmamento político completamente deslocado no tempo e no lugar.

    Que extraordinário êxito ele teria obtido há uns 40 anos, em qualquer elenco governativo autoritário da Europa do Leste !

    Hoje, convenhamos, o seu hipotético campo de sucesso encontrar-se-á extraordinariamente minguado.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.