quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Camuflagem Urbana: Lost in translation






A galeria Bertin Toublanc em Paris e mais recentemente a Eli Klein Fine Art apresentaram uma nova geração de artistas chineses. Obras como as fotografias de Liu Bolin, Urban Camouflage, de certa forma traduzem a transformação em curso na China, em que velhos hábitos são demolidos e uma nova cultura se vai lentamente impondo assim como os sentimentos ambivalentes dos que se sentem perdidos na transição.

As fotos de Bolin mostram o emergir do indivíduo numa cultura em que a individualidade nunca antes foi importante. Usar o corpo como veículo de arte é uma forma de reconhecer essa individualidade numa sociedade que ainda tem problemas em aceitar os direitos da auto-expressão.

Are human beings animals?

Chameleon has the unique property of changing hues to match the color of the surroundings for self-protection. Rattlesnake can bury most of the body in sand soil. This can not only protect itself but also have a better access to food. There are also many animals, such as gecko, beetle etc., which have learnt to deal with the environment and the enemy in the longtime fight of life and death. In order to survive, good concealment has become the most critical factor.

Human beings are not animals! Because human beings do not know how to protect themselves.

In the recent three thousand years history of human civilization, basically the two items are written clearly: one, human beings develop in the destruction of their environment; two, the development of human is full of bad exploitation for themselves. The cost of the brilliant human civilization is that human beings almostly forget they are still animals, and forget their own instinct.


Liu Bolin: Exibição na Galeria Bertin-Toublanc e na Eli Klein Fine Art.

1 comentário:

  1. Parece que o exemplo dado sugere exactamente o oposto: quer os homens, quer os animais, excedem a capacidade do ambiente, desde que tenham condições para crescer.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.