quinta-feira, 12 de junho de 2008

Mestre Alves faz magia negra por Portugal


Está explicado o triunfo de Portugal na fase de grupos do Euro 2008... Transcrevemos artigo de Almiro Ferreira do "Jornal de Notícias" de 2 de Junho passado:

"Cruzes, canhoto! Ritual satânico de Mestre Alves invoca entidades demonícas e "bloqueia" os adversários da selecção portuguesa na fase de grupos do Euro-2008


Satanás! Satanás! Na invocação de entidades demoníacas, Mestre Alves ajoelha-se, ergue as mãos ao firmamento escuro da noite e conclui o ritual de magia negra às selecções adversárias de Portugal no Euro-2008.

O médium e vidente remata o feitiço ingurgitando, por um cálice satânico, um não menos diabólico cocktail de sangue de boi e de vinho - João Pires, se faz favor! - e encomendando aos astros todos as desgraças possíveis a turcos, checos e suíços. Cruzes, canhoto!

Praia da Aguçadoura, Póvoa de Varzim, meia-noite de sexta-feira. Em troca de uma pobre inocente galinha preta, sacrificada em oferenda a entes diabólicos, Mestre Alves garante ter influído nos sortilégios da bola e do Euro-2008. Encomendou todos os azares possíveis aos adversários de Portugal e assegura ter protegido os nossos rapazes do mau-olhado alheio. "A primeira fase já está passada. Mas vai ser difícil. O primeiro jogo, com a Turquia, será complicado e até pode acabar num empate, mas Portugal vai passar. Com este ritual, os nossos adversários estão bloqueados por energias negativas", garante Luís Ernesto Ferreira Alves, doutor em ciências do oculto, nascido há 46 anos, em Barcelos.

E o que pensará a UEFA destes favores do sobrenatural, em afronta ao sacrossanto Fair Play? Mestre Alves não quer saber do que Platini e seus pares sentirão, porque, na consulta aos astros, soube que também do outro lado fizeram o mesmo, no sentido oposto. Também por isso, e porque, neste domínio do oculto, desportivismo é só paleio, o exorcista, médium e vidente português também fez um ritual para Cristiano Ronaldo e companhia, mas de magia branca. Tudo para afastar o mau-olhado à nossa selecção e protegê-la das influências malvadas deste mundo do transcendente.

Acontece que Mestre Alves não identificou apenas forças malignas alheias. Também as verificou dentro da própria selecção portuguesa. Apontou para a Ursa Menor e observou: "Estão a ver aquela estrela [a polar] separada das outras quatro. Representa alguém, um dirigente ou empresários, que vai causar uma guerra grande".

Mas nada que assustasse este mago cósmico. Braços erguidos ao céu, Mestre Alves fez uma reza impronunciável - "Nem eu sei o que digo, são coisas que me saem" - e depressa conseguiu uma conjugação celestial desejada. "Viram. As estrelas já estão mais unidas. É disso que a selecção precisa", sentenciou."

8 comentários:

  1. E depois não acreditam que haja bruxos!

    Julgo que o único "deslize" de Mestre Alves foi ter-se enganado nos destinários da sua vidência:os destinatários não eram a selecção portuguesa de futebol, mas sim o diferendo que iria opor, dias depois, os camionistas e o Governo: "Estão a ver aquela estrela...que vai causar uma guerra grande?" Viram as estrelas já estão unidas?"

    O certo é que esta madrugada, os camionistas e o Governo passaram a viver numa santa paz. Ah, grande Mestre Alves!...

    ResponderEliminar
  2. Aguardo que o Observatório Astronómico de Lisboa ou outra entidade acreditada confirme que a estrela polar passou desde esse momento a estar mais próxima das "outras quatro". Então não sei se será de gritar "Milagre!" se "Bruxo!".

    ResponderEliminar
  3. e publicam mesmo essas tretas num jornal?!?

    ResponderEliminar
  4. Mais um que antes quer ter uma mão inchada do que uma enxada na mão.

    ResponderEliminar
  5. vai se fuder seu porra dos inferno

    ResponderEliminar
  6. mestre alves è so treta
    anonimo

    ResponderEliminar
  7. É ELE SÓ ESQUECEU DE DIZER QUE A ESPANHA GANHOU HAHAHAHA,ESSE LIXO NAO SABE NADA,NEM EM MIL ANOS PORTUGAL DERROTARIA A ESPANHA!!!!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.