sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Camilo Pessanha


Informação recebida da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra

Um poeta ao longe: exposição na ocasião dos 140 anos do nascimento de Camilo Pessanha

Apesar da sua importância para a poética da língua portuguesa e da admiração de um Fernando Pessoa ou de um Mário de Sá-Carneiro, Camilo Pessanha (1867-1926) ficou sempre na nossa cultura “um poeta ao longe”, por ter vivido e morrido no longínquo Macau.

Para trazer este poeta coimbrão de volta a casa e para desmistificar um pouco a ideia de autor de um só livro, a Associação Wenceslau de Moraes e a Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra apresentam, até 9 de Novembro, uma exposição documental e bibliográfica sobre o escritor, o jurista, o sinólogo e o cidadão, em todos estes títulos exemplar.

São fotografias, manuscritos e jornais onde colaborou, originais provenientes de uma colecção particular e dos fundos da BGUC, que se podem apreciar na Sala de São Pedro, todos os dias úteis, das 10 h às 12horas e das 15 h às 17 horas. No próximo dia 15 (segunda-feira) de Outubro, pelas 18 horas e 30 minutos, realiza-se a inauguração formal da exposição, com a participação do Pró-Reitor para a Cultura, Arq. José António Bandeirinha, e aberta a todo o público interessado.

Depois de Coimbra, esta exposição irá iniciar um itinerário pelo país, seguindo para Braga, onde será exibida na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, sob os auspícios da Fundação Confúcio.

A BGUC também tem patente nas Prisões Académicas (por baixo da Biblioteca
Joanina) uma pequena mostra da obra gráfica de Giambattista Piranesi (1720-1778), gravador, arqueólogo e arquitecto italiano, três álbuns dos muitos que a Biblioteca possui deste autor contemporâneo dos primeiros tempos daquela Biblioteca Joanina.

A. E. Maia do Amaral
Director-adjunto da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.