segunda-feira, 24 de setembro de 2007

OUTRA PÉROLA NO EMAIL


Recebi um email a publicitar um curso de hipnose a realizar em Lisboa por um hipnotizador brasileiro. Nunca fui hipnotizado, apesar de conhecer pessoas que já foram. Também nunca hipnotizei ninguém. Duvido que passasse a ser capaz no fim de frequentar este curso. Sei pouco de hipnose, mas este anúncio cheira-me a pseudociência. Talvez alguém mais versado em hipnose, ou em psicologia, ou em medicina, possa esclarecer...

CURSO de FORMAÇÃO em HIPNOSE CONDICIONATIVA - A última palavra em hipnologia

"Esta é uma terapia eficiente na resolução das questões psíquicas de cada indivíduo, sem a necessidade de “investigar” a vida de uma pessoa, o seu passado, e que chega ás causas dos problemas (registros mentais negativos), sem resgatar traumas, nem revivenciar os abalos emocionais (sofrologia), abreviando os tratamentos. Foi nesta perspectiva que Crozera estudou e implementou um meio para chegar às causas, indo até os registros mentais negativos, conseguindo "bloqueá-los" na mente e desta forma resolvendo problemas comportamentais e diversos transtornos emocionais, chegando diretamente à causa ou fazendo uma espécie de rastreamento na mente (consciente e inconsciente), indo da vida intra-uterina até o momento presente, num curto espaço de tempo. Assim o professor Luiz Carlos Crozera encontrou uma brilhante forma de proporcionar ao ser humano, equilíbrio emocional, motivação, elevação da auto-estima (fundamental em qualquer tipo de tratamento e patologia, tanto de ordem física como psicológica, elementos indispensáveis para que o organismo humano funcione adequadamente, inclusive no campo imunológico), projetando a verdadeira “saúde”, onde nenhum componente químico pode entrar – “na mente humana”. Esta é uma solução inovadora, que substitui técnicas de regressão (Hipnose Clássica), assim como aplicação de metáforas (Hipnose Ericksoniana) e incontáveis métodos adaptados pela psicologia, aos poucos vai conquistando espaço nos mais variados segmentos da saúde (clínica integrativa), na educação, desportes, recursos humanos e criminalística."

16 comentários:

  1. Por 5 euros (ou até menos),é possível encontrar-se, em alfarrabistas e feiras do livro, um pequeno livro da autoria do Professor Egas Moniz acerca de hipnotismo e dos trabalhos (sérios) desenvolvidos pelo famoso Abade Faria acerca desse tema:

    http://sorumbatico.blogspot.com/2007/05/associao-de-ideias-v.html

    ResponderEliminar
  2. Quando se fala d' «O Conde de Monte Cristo» a quem conhece a obra (mesmo só de ouvir falar), vem logo à mente o nome do Abade Faria, o padre italiano que, preso na fortaleza de If (ao largo de Marselha), revelou a Edmond Dantès a existência de um fabuloso tesouro na Ilha de Monte Cristo e que veio a permitir, com a sua morte, a fuga do companheiro que foi lançado ao mar em vez dele.

    O que é que terá levado Alexandre Dumas a ir buscar um português com esse nome? Apenas por ter vivido na época em que a acção do romance decorre e ser uma pessoa muito conhecida em França?

    Na realidade, o verdadeiro Abade Faria era português, nascido em Goa, fez os seus estudos em Roma e acabou por se notabilizar em França, no início do século XIX, pelos seus estudos sérios (e cujos resultados se revelaram quase sempre acertados à luz do que hoje se sabe) acerca do hipnotismo.

    Ah!, e apesar de ter vivido algum tempo em Marselha, mesmo à vista da célebre prisão, nunca esteve preso - nem lá, nem em parte nenhuma...

    O livro que se refere no comentário anterior, da autoria do Professor Egas Moniz, é uma interessante monografia sobre esse assunto, abordando, essencialmente, a vida e obra do verdadeiro Abade Faria, mas não fugindo à comparação com o seu homónimo fantasiado.

    No fundo, o nosso Prémio Nobel da Medicina considera que Dumas-pai escolheu a personagem do padre português (que, aliás, nunca conheceu pessoalmente) como uma homenagem ao homem íntegro, estudioso e inconformado que ele foi.

    ResponderEliminar
  3. A hipnoterapia, sem dúvida alguma, funciona claramente, quando se referem os problemas de dependência, aos quais os programas de prevenção secundária/terciária por vezes não conseguem responder (no caso, por exemplo, da necessidade de uma cessação tabágica imediata)...mas é certo que, este, é o tipo de método que 'escolhe' o próprio terapeuta, delineando desde o seu início uma componente ética muito profunda;
    este tipo de suposições adiantam-se revelar pelos momentos de «circo» que alguns fazem valer, na condição monetariamente bem paga para dar um bom tempo de espectáculo, contudo esta é também uma técnica capaz, tal como todas as outras que se têm desenvolvido na história integrada da psiquiatria/psicologia...não digo a todo o tipo de pessoas, nem a todo o tipo de problemas (em que se sabe que a eficácia de cada técnica está sobretudo relacionada com o tipo de problemas aos quais se visa responder), mas acredito ser uma técnica convenientemente qualificada.

    ResponderEliminar
  4. Rica vida a destes professores universitários que não têm mais nada que fazer a não ser ler mails da treta e escrevinhar textos sobre o assunto.

    Isto é que é investigação científica!

    ResponderEliminar
  5. A situação paradoxal referida no comentário anterior (alguém que perde tempo a comentar como é que os outros perdem tempo...) é parodiada numa velha anedota que, em 1930, foi ilustrada como se pode ver em:

    http://humorantigo.blogspot.com/2007/02/1930-30.html

    ResponderEliminar
  6. Caro Mariano Anónimo (ia dizer gago mas o legítimo ia zangar-se...):

    O trabalho científico de um docente universitário deve passar pela divulgação científica NA SUA ÁREA (o que não é o seu caso...).

    Porque não faz um Blog intitulado "Direito da Criação" ? Ia ser bastante (re)creativo e o Pastor ia adorar.

    ResponderEliminar
  7. Mais absurdo é ainda alguém perder tempo a comentar que é paradoxal alguém que perder tempo a comentar como é que os outros perdem tempo.

    ResponderEliminar
  8. confesso que tenho pelo hipnotismo uma certa desconfiança, mas depois de assistir a uma sessão e ver um paciente meu a ser equilibrado como uma tabua de engomar entre duas cadeiras ....
    o homem tinha 1,90m e ficou firme e hirto com o pescoço numa cadeira e os tornozelos na outra, e nã acredito em bruxas, mas....

    ResponderEliminar
  9. Uma coisa é a hipnose e as técnicas usadas para atingir um estado de relaxamento físico e mental profundo.
    Outra é a terapia psicológica efectuada durante o estado de hipnose.

    ResponderEliminar
  10. Pensei que ia ver o "humor antigo" que mostra a criada a espreitar a patroa pelo buraco da fechadura.

    ResponderEliminar
  11. Sobre a hipnose condicionativa:
    http://www.revistapiaui.com.br/2007/abr/mente.htm

    ResponderEliminar
  12. Acesse os depoimentos de centenas de pessoas que trabalham com essa técnica (Hipnose Condicionativa), médicos, psicólogos, psiquiátras, psicanalistas, dentistas, terapeutas, educadores, entre outros.

    http://groups.msn.com/hipnoseclinica/depoimentos.msnw

    ResponderEliminar
  13. Encontrei depoimentos de inúmeros profissionais que empregam a hipnose condicionativa com sucesso, vale dar uma olhada em http://groups.msn.com/hipnoseclinica/depoimentos.msnw, acho que as terapias alternativas estão superando a medicina, pois sabemos que 90% das doenças surgem primeiro na mente, exceto as proveniêntes de fungos, vírus, bactérias, genéticas, acidentais e abusivas contra a saúde, inúmeros medicamentos apenas burlam a mente, não resolvem nem chegam nas causas, passa o efeito e as causas ainda estão lá, tornando a maioria da humanidade dependênte química, enchendo os bolsos dos laboratórios, eu mesma estava em depressão ha mais de 5 anos, era totalmente dependente de calmantes e anti-depressivos, que estavam destruindo minhas capacidades neurológicas, a medicina e os vários métodos de psicologia e psicoterapias convencionais não resolviam nada, gastei tudo que tinha. Hoje sou a pessoa mais feliz do mundo, depois que fui atendida pelo Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da mais nova linha da hipnologia mundial - Hipnose Condicionatiava, esta não faz investigação de memória (sofrologia) nem trabalha metáforas que são consideradas técnicas ultrapassadas.

    Hoje sei que a mente humana acumula trilhões de registros mentais, desde a vida intra-uterina, até o momento presente, influenciando nas nossas atitudes, pensamentos, sentimentos, comportamentos e principalmente no matabolismo fisiológico, não basta ter pensamento positivo (atração do pensamento segundo a ciência quântica) quando você tem um verdadeiro bombardeio de registros sendo absorvidos a cada instante pelos seus orgãos dos sentidos de forma vivenciada, subliminar e psicossomatizada, o pensamento positivo é apenas e simplesmente uma receita doméstica para resolver temporariamente alguns tipos de problemas, não existe outra maneira de acessar a memória inconsciente a não ser pela hipnose, que no mundo está dividida em 3 linhas científicas distintas: Hipnose Clássica - Hipnose Ericksoniana e a mais nova linha: Hipnose Condicionativa.

    Foi no site do Instituto Brasileiro de Hipnologia que encontrei a cura definitiva dos meus problemas, hoje quero e desejo viver, miver muito e ajudar as pessoas, basta! não desejo mais me entupir de tanto remédio, tentar 3 vezes o suicídio e inúmeras internações hospitalares, estou aqui escrevendo essas linhas graças ao pai da Hipnose Condicionativa. Estou eternamente grata a você Prof. Luiz Carlos Crozera, que Deus continue iluminando sempre seu caminho, sei que sua jornada não é nada fácil, levar esperança e Luz para as pessoas são privilégios de poucos.

    Sua paciente e admiradora Aninha - São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  14. Meu nome é Delmo, conheci o Sr Luiz Carlos Crozera num recente curso de hipnose condicionativa. Respeito as duvidas levantadas aqui, pois afinal, todos nós as temos de inicio. Porém, digo a todos, que a hipnose condicionativa funciona, fascina e cativa depois que a conhece melhor. Seu criador é igualmente cativante. É uma pessoa simples, direta e tenho certeza que as opniões aqui mudariam após todos terem a mesma oportunidade que eu tive de conhecer....

    ResponderEliminar
  15. Há quase 50 anos que estudo esta e matérias similares e posso afirmar que o hipnotismo, hipnose, magnetismo e outros nomes que significam o mesmo são uma arte mágica, isto é psicológica. São uma habilidade psicológica que lida como desejo de representação do ser humano. Ser actor é uma coisa que nos vai na alma desde as brincadeiras de criança. E estar hipnotizado é ser actor. O hipnotizador não tem nenhum poder e o hipnotismo é o que o hipnotizado quiser que seja. Finalmente, utilizar essa habilidade em terapia resulta tanto quanto o poder da auto-sugestão, a qual funciona mesmo sem hipnose e usar a hipnose para operações cirurgicas é uma fraude e um crime porque a pessoa é enganada e tem de suportar todas as dores sem anestesia..

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.